icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/07/2013
11:22

Após o Ministério da Justiça do Brasil viabilizar a negociação entre os torcedores do Corinthians presos na Bolívia e a família do jovem Kevin Espada, morto em fevereiro deste ano ao ser atingido por sinalizador, a Justiça da Bolívia emitiu um relatório conclusivo sobre a doação de 50 mil dólares feita pelo Timão.

A expectativa é que os cinco (Reginaldo Coelho, Leandro Silva de Oliveira, José Carlos da Silva Júnior, Marco Aurélio Nefreire e Cleuter Barreto Barros) que ainda estão presos sejam liberados nos próximos dias. Em junho, sete dos 12 presos já haviam sido libertados (Tiago Aurélio dos Santos Ferreira, Danilo Silva de Oliveira, Tadeu Macedo Andrade, Rafael Machado Castilho Araújo, Fábio Neves Domingos, Hugo Nonato e Clever Souza Clous).

- Esse tipo de composição só tem sucesso após um diálogo cuidadoso, que permite aos envolvidos compreender os benefícios da Justiça Restaurativa. Por isso, o Ministério da Justiça atuou como facilitador nesse diálogo, com o apoio da Defensoria Pública da União e da embaixada brasileira na Bolívia - declarou Haman Córdova, Defensor Público-Geral, em comunicado enviado à imprensa.

E MAIS:
> Que saudade! Corinthians não entra no G4 do Brasileirão há 46 rodadas
> De longe e de perto, Corinthians monitora Wéverton, do Londrina

Para Ramiro Magne e Oscar Arraya, advogados dos presos na Bolívia, a justiça restaurativa foi o elemento central no sucesso da defesa dos corintianos.

MENOR DENUNCIADO

Ainda em junho, a Justiça da Bolívia anunciou a inclusão de um jovem brasileiro de 17 anos, residente em São Paulo, no processo da morte do garoto Kevin Espada, de 14 anos, que mantém preso cinco torcedores do Corinthians em uma penitenciária em Oruro.

Identificado como H.A.M., o jovem se entregou à Vara da Infância e da Juventude dias depois da tragédia no jogo entre o Timão e o San José, pela Copa Libertadores. Em seu depoimento, confessou ser o responsável por acender o sinalizador que matou o garoto.


Após o Ministério da Justiça do Brasil viabilizar a negociação entre os torcedores do Corinthians presos na Bolívia e a família do jovem Kevin Espada, morto em fevereiro deste ano ao ser atingido por sinalizador, a Justiça da Bolívia emitiu um relatório conclusivo sobre a doação de 50 mil dólares feita pelo Timão.

A expectativa é que os cinco (Reginaldo Coelho, Leandro Silva de Oliveira, José Carlos da Silva Júnior, Marco Aurélio Nefreire e Cleuter Barreto Barros) que ainda estão presos sejam liberados nos próximos dias. Em junho, sete dos 12 presos já haviam sido libertados (Tiago Aurélio dos Santos Ferreira, Danilo Silva de Oliveira, Tadeu Macedo Andrade, Rafael Machado Castilho Araújo, Fábio Neves Domingos, Hugo Nonato e Clever Souza Clous).

- Esse tipo de composição só tem sucesso após um diálogo cuidadoso, que permite aos envolvidos compreender os benefícios da Justiça Restaurativa. Por isso, o Ministério da Justiça atuou como facilitador nesse diálogo, com o apoio da Defensoria Pública da União e da embaixada brasileira na Bolívia - declarou Haman Córdova, Defensor Público-Geral, em comunicado enviado à imprensa.

E MAIS:
> Que saudade! Corinthians não entra no G4 do Brasileirão há 46 rodadas
> De longe e de perto, Corinthians monitora Wéverton, do Londrina

Para Ramiro Magne e Oscar Arraya, advogados dos presos na Bolívia, a justiça restaurativa foi o elemento central no sucesso da defesa dos corintianos.

MENOR DENUNCIADO

Ainda em junho, a Justiça da Bolívia anunciou a inclusão de um jovem brasileiro de 17 anos, residente em São Paulo, no processo da morte do garoto Kevin Espada, de 14 anos, que mantém preso cinco torcedores do Corinthians em uma penitenciária em Oruro.

Identificado como H.A.M., o jovem se entregou à Vara da Infância e da Juventude dias depois da tragédia no jogo entre o Timão e o San José, pela Copa Libertadores. Em seu depoimento, confessou ser o responsável por acender o sinalizador que matou o garoto.