icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/07/2013
21:01

Sempre coerente em seus discursos, o meia Juninho comentou alguns problemas encontrados no Maracanã, na partida de domingo, diante do Fluminense. Segundo o camisa 8, até para chegar ao estádio os jogadores e a comissão técnica tiveram problemas.

- Foi um jogo complicado de conseguir ingressos para os familiares, coisas que a gente sempre teve. Os jogadores não tiveram direito de levar os carros para o Maracanã. O Vasco teve que alugar uma van para levar alguns integrantes da comissão técnica. Eu perguntava todos os dias sobre os ingressos, mas não consegui levar nenhum familiar. Não estou culpando o Fluminense, nem sei quem é o culpado. Mas essa briga toda do Maracanã acabou influenciando os jogadores que iam participar e são os responsáveis pela partida - afirmou.

Sobre a comemoração no momento do gol - quando esbravejou e disse: 'esse lado é nosso' se referindo a mudança no posicionamento das torcidas no clássico contra o Fluminense -, Juninho opinou dizendo que a situação poderia ser conduzida de outra forma.

- Mesmo o Fluminense tendo os direitos de usar o lado do Maracanã pelos próximos 35 anos, eu achei que seria interessante, pela relação dos dois clubes, que a mudança fosse feita sem ser de uma forma radical. Na hora do gol, não controlamos muito as emoções. Não foi nenhum excesso. Foi apenas uma mensagem passada por tudo que aconteceu durante a semana que precedeu o jogo - disse.

Sempre coerente em seus discursos, o meia Juninho comentou alguns problemas encontrados no Maracanã, na partida de domingo, diante do Fluminense. Segundo o camisa 8, até para chegar ao estádio os jogadores e a comissão técnica tiveram problemas.

- Foi um jogo complicado de conseguir ingressos para os familiares, coisas que a gente sempre teve. Os jogadores não tiveram direito de levar os carros para o Maracanã. O Vasco teve que alugar uma van para levar alguns integrantes da comissão técnica. Eu perguntava todos os dias sobre os ingressos, mas não consegui levar nenhum familiar. Não estou culpando o Fluminense, nem sei quem é o culpado. Mas essa briga toda do Maracanã acabou influenciando os jogadores que iam participar e são os responsáveis pela partida - afirmou.

Sobre a comemoração no momento do gol - quando esbravejou e disse: 'esse lado é nosso' se referindo a mudança no posicionamento das torcidas no clássico contra o Fluminense -, Juninho opinou dizendo que a situação poderia ser conduzida de outra forma.

- Mesmo o Fluminense tendo os direitos de usar o lado do Maracanã pelos próximos 35 anos, eu achei que seria interessante, pela relação dos dois clubes, que a mudança fosse feita sem ser de uma forma radical. Na hora do gol, não controlamos muito as emoções. Não foi nenhum excesso. Foi apenas uma mensagem passada por tudo que aconteceu durante a semana que precedeu o jogo - disse.