icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
18/11/2013
18:47

Juninho chegou ao Palmeiras no início de 2012 e, após conquistar a Copa do Brasil, caiu de rendimento em meio à campanha do rebaixamento para a Série B. Depois de conviver com a forte pressão recebida entre o fim do ano passado e início desta temporada, o lateral-esquerdo considera que conseguiu recuperar seu rendimento. Muito por conta do seu treinador, Gilson Kleina:

- No início desse ano achei que não iria jogar o que eu sei por tudo que aconteceu ano passado, mas estava enganado. A família mostrou isso, o Gilson (Kleina) me mostrou isso. Estou muito feliz - comemorou o camisa 6.

Com 114 jogos pelo clube, e oito gols marcados, Juninho chegou a ficar no banco de reservas no primeiro semestre, um período em que o próprio jogador pensou em sair do clube, temeroso de que não iria recuperar o mesmo nível de apresentações quando estava em alta, em 2012. No segundo semestre, porém, retomou a vaga de Marcelo Oliveira e virou "dono da posição".

Titular em boa parte da campanha da Série B, o ex-atleta do Figueirense comemorou muito o título do Palmeiras, conquistado no último sábado, após a vitória sobre o Boa. Durante a celebração, que contou com o "ataque" a Kleina de boa parte do elenco, sob os pedidos de "fica" ao técnico que tem contrato até o fim do ano, Juninho disse sobre o chefe:

- É o melhor treinador do Brasil.

Pronto para um fim de ano bem mais tranquilo do que aquele que passou em 2012, Juninho disse que toda a festa foi para "lavar a alma", depois de passar pelo calvário da Segunda Divisão.

- Posso dizer que a gente lavou a alma aqui. Estamos voltando com força total. Foi muito difícil. Não é porque a gente fez uma campanha extraordinária que foi fácil, não foi. A gente sabe o quanto foi difícil. Não sabíamos como a torcida ia reagir ao fim do jogo, a gente fica feliz, a torcida apoiou o campeonato todo. Ano que vem, Série A, vamos com tudo - avisou.