icons.title signature.placeholder Felippe Rocha
13/12/2013
14:20

A vida do Vasco no mundo jurídico não para. Na próxima terça-feira, às 14h, na 37ª Vara Cível, acontece o julgamento, em primeira instância, do processo que pode anular a última eleição do clube, de 2011, que reelegeu Roberto Dinamite. Na audiência de conciliação e julgamento, o processo estará pronto para sentença após a fase de estudos. Se anulado o pleito, ocorrerá em até três meses, de acordo com o estatuto do clube. Pode acontecer ainda um acordo entre as partes, o que acarretaria numa nova eleição, na qual o atual presidente poderia ou não ser candidato.

- Espero que a posição do Roberto seja de encontrar uma saída para essa crise que o clube vive - disse José Henrique Coelho, autor do processo, que já foi vice-presidente de marketing do clube.

O processo teve início na semana anterior ao pleito e vem se arrastando desde 2011. A audiência desta terça-feira foi marcada ainda no meio deste ano, durante o Campeonato Brasileiro. O principal argumento da acusação é de que Olavo Monteiro de Carvalho, magistrado daquela eleição, era também candidato à reeleição para presidente da Assembleia Geral, configurando, assim, um suposto conflito de interesses, que tiraria a legitimidade do pleito:

- É um princípio da democracia. Ele não teria isenção nenhuma - afirmou o advogado do autor, Luiz Américo.

Vale lembrar que a eleição no Vasco funciona do modo indireto, no qual a chapa vencedora elege 120 membros para o Conselho Deliberativo e a segunda colocada elege 30. Estes se juntam a 150 membros natos que, então, elegem o presidente. A próxima eleição do Vasco ocorre no meio da próxima temporada, na qual o Cruz-Maltino disputará a Série B.