icons.title signature.placeholder Daniela Caravaggi
09/11/2013
13:10

O lugar no pódio não foi o mais alto, mas a história de superação e vontade da jovem nadadora Renata Cungussu, de 16 anos, de Porto Velho (RO), ultrapassa qualquer importância de colocação. A atleta disputa pela quarta vez consecutiva os Jogos Escolares da Juventude, mas esse ano não pôde disputar sua especialidade (peito), por problemas nos dois joelhos, que terão de ser operados provavelmente no fim do ano. Mesmo assim, Renata conseguiu a classificação às finais do 50m livres e ficou com a sexta colocação.

Campeã Brasileira aos 14 anos de idade, ela contou como foi disputar outra prova, comentou a expectativa de vaga nos Jogos Olímpicos de 2016 e criticou a falta do apoio ao esporte por parte do governo.

- Não deu para disputar minha prova principal (peito), porque ela força muito o joelho. Isso me prejudicou bastante, porque teria chances de medalha, mas o importante é participar. Eu estou ganhando mais experiência a cada evento. É triste você ter de ficar um ano parada. Eu tenho um objetivo e metas para cumprir. Talvez eu não esteja nos jogos anos que vem, mas vou tentar evitar a cirugia fortalencendo meu joelho - disse a jovem, que completou:

- O governo só pagou os Jogos Escolares da Juventude porque tinha de ajudar, mas ele não apoia em absolutamente nada, não dá recursos. As competições de fora tem de sair do nosso bolso. É suado para pagar, porque é muito gasto. Meu maior sonho é participar de uma Olimpíada. Se Deus quiser meu joelho vai melhorar e estarei no Rio de Janeiro em 2016.

O treinador da revelação das piscinas, Paulo Siqueira, que a acompanha desde que ela tinha nove anos de idade, desenvolve há 12 anos um projeto em Porto Velho na escola João Bento da Costa chamado: "Natação uma alternativa para educar", do qual Renata faz parte.  Ele explicou que o objetivo é proporcionar a prática de natação às crianças menos favorecidas. 

- Os clubes são muito caros e as crianças da rede pública não têm condições de pagar. Com esse projeto fomos descobrindo talentos e a Renata é um deles. A intenção é passar para aquela criança que ela é capaz de fazer qualquer coisa que outra criança com um maior poder econômico faz - disse o treinador, ao LANCE!Net.

Assim como a nadadora, Paulo reclamou do pouco incentivo que o esporte recebe e revelou que Renata não poderá ir este ano ao Campeonato Brasileiro de Verão, em Santa Catarina, pois eles não têm condições de financiar a viagem. 

- Quando um atleta chega em um nível como o dela precisa de um aporte financeiro para participar de grandes competições. Teríamos o Brasileiro de Verão em Palhoça, mas não vamos porque não temos condições de comprar passagem para ir. O governo não nos apoia. É preciso de uma grande estrutura por trás com profissionais para dar esse apoio ao atleta, mas sem isso fica difícil. O problema no joelho dela, por exemplo, são amigos nossos que estão apoiando.

O treinador destacou também importância do evento estudantil organizado pelo COB desde 2005 e vê nele oportunidades culturais e sociais dadas aos jovens competidores. 

- Esses Jogos Escolares têm um papel social e cultural muito importantes. É o momento que os governos dão a oportunidade para vários atletas participarem de um campeonato nacional. Muitas crianças nunca saíram de seus estados e podem viajar pelo Brasil e conhecer novas culturas. Eles fazem muitas amizades com garotos e garotas de várias regiões do país. O evento só veio para enriquecer o esporte no país - finalizou. 

*A repórter viaja a convite do COB