icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
31/07/2013
18:47

Após dois torneios e uma sequência de 12 vitórias em 2013, a Seleção Brasileira feminina de vôlei ainda apresenta as deficiências típicas de uma equipe em formação. A invencibilidade é comemorada pelo técnico José Roberto Guimarães, mas ele lembra que, sobretudo no aspecto defensivo, suas comandadas têm muito a evoluir em busca do nono título do Grand Prix, que começa na próxima sexta, diante da Polônia, em Campinas.

- Nosso time vai lutar muito. A gente tem se apresentado bem, com muito volume de jogo. Mas temos que melhorar o sistema defensivo e a relação de bloqueio e defesa. É um time muito voluntarioso e com jogadoras operárias. Elas estão se doando muito para conseguirmos resutados positivos - frisou o treinador, que tem cinco títulos da competição no currículo.

Desde o início do atual ciclo olímpico, visando os Jogos de 2016, o Brasil já disputou dois torneios. Em Alassio, na Itália, e Montreux, na Suiça, foram duas medalhas de ouro. O Grand Prix será a primeira grande competição do novo grupo, que contará com o apoio da torcida na etapa inicial.

Uma vitória sobre a seleção polonesa poderá ser duplamente comemorada por José Roberto. Isso porque, nesta quarta, ele completou 59 anos. O fato de passar o aniversário todos os anos junto de suas comandadas e longe da família já não é tão estranho para o treinador.

- Uma vitória contra a Polônia está de bom tamanho para abrir as comemorações. Eu passo mais aniversários com as jogadoras do que com a minha própria família. Todos os grandes campeonatos são realizados em julho, portanto já estou acostumado. É sempre bom estar com elas e receber os parabéns, mas elas sabem que a cobrança vai continuar sendo grande - ressaltou o comandante.

A competição este ano conta com 20 participantes, divididos em duas chaves. Os cinco melhores colocados, mais o país sede, se classificam para a fase final, que acontecerá em Sapporo, no Japão, entre 28 de agosto de 1º de setembro. O Brasil está no grupo A, ao lado de Rússia e Estados Unidos.

Após dois torneios e uma sequência de 12 vitórias em 2013, a Seleção Brasileira feminina de vôlei ainda apresenta as deficiências típicas de uma equipe em formação. A invencibilidade é comemorada pelo técnico José Roberto Guimarães, mas ele lembra que, sobretudo no aspecto defensivo, suas comandadas têm muito a evoluir em busca do nono título do Grand Prix, que começa na próxima sexta, diante da Polônia, em Campinas.

- Nosso time vai lutar muito. A gente tem se apresentado bem, com muito volume de jogo. Mas temos que melhorar o sistema defensivo e a relação de bloqueio e defesa. É um time muito voluntarioso e com jogadoras operárias. Elas estão se doando muito para conseguirmos resutados positivos - frisou o treinador, que tem cinco títulos da competição no currículo.

Desde o início do atual ciclo olímpico, visando os Jogos de 2016, o Brasil já disputou dois torneios. Em Alassio, na Itália, e Montreux, na Suiça, foram duas medalhas de ouro. O Grand Prix será a primeira grande competição do novo grupo, que contará com o apoio da torcida na etapa inicial.

Uma vitória sobre a seleção polonesa poderá ser duplamente comemorada por José Roberto. Isso porque, nesta quarta, ele completou 59 anos. O fato de passar o aniversário todos os anos junto de suas comandadas e longe da família já não é tão estranho para o treinador.

- Uma vitória contra a Polônia está de bom tamanho para abrir as comemorações. Eu passo mais aniversários com as jogadoras do que com a minha própria família. Todos os grandes campeonatos são realizados em julho, portanto já estou acostumado. É sempre bom estar com elas e receber os parabéns, mas elas sabem que a cobrança vai continuar sendo grande - ressaltou o comandante.

A competição este ano conta com 20 participantes, divididos em duas chaves. Os cinco melhores colocados, mais o país sede, se classificam para a fase final, que acontecerá em Sapporo, no Japão, entre 28 de agosto de 1º de setembro. O Brasil está no grupo A, ao lado de Rússia e Estados Unidos.