icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
06/04/2014
09:32

Jornalistas botafoguenses, que já escreveram livros sobre a história do clube, divergem sobre a obra na sede de General Severiano. Rafael Casé, por exemplo, vê com bons olhos a mudança, pois, para ele, o local será melhor utilizado pelo quadro social de alvinegros.

– Hoje o sócio proprietário tem poucos atrativos em General Severiano. Não vejo motivo para tanto barulho. Nossa tradição e nossa importância no futebol do Brasil e do mundo não está restrita a alguns metros quadrados de terreno – disse Casé, que, entre outras publicações, é autor do livro "Como esta estrela veio parar no meu peito – Os 70 anos da fusão do Botafogo".

Já o professor e jornalista Paulo César Guimarães mostra indignação com a mudança na sede.

– Acho um absurdo. Doeu ver aquelas fotos do campo sendo destruído de novo. Sempre fui a favor de que os jogadores fiquem perto da torcida. Perder o campo de General Severiano é um retrocesso – disse ele, que escreveu o livro "O Jogo do Senta".