icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
12/02/2015
20:01

O ex-jogador e atual técnico Jorginho falou, nesta quinta, em entrevista ao programa Momento Esportivo, da Rádio Brasil, sobre o trabalho de Dunga à frente da Seleção Brasileira. Segundo o ex-treinador do Figueirense, a saída do capitão do tetra, após a eliminação na Copa de 2010, foi precoce.

- Fiquei feliz pelo retorno do Dunga na Seleção, ele nem deveria ter saido. Isso é cultura do Brasil, não ganhou, troca. O Dunga fez um grande trabalho, conquistou a Copa América e a Copa das Confederações. Mais uma vez, ele está demonstrando que é bom, pegando a Seleção após dois péssimos resultados, contra Alemanha e Holanda, na Copa do ano passado. Acredito que, com o seu retorno, foi feito uma justiça.

A eliminação da Seleção no Sul-Americano sub-20 também foi assunto. Para Jorginho, o fracasso dos meninos na competição se deveu, principalmente, na falta de planejamento tático e na forte condição física dos atletas.

- Não tenho dúvida que nós não formamos mais craques como antes, mas temos uma boa geração, de qualidade. Não é excepcional, mas tem uma série de outros fatores que levam ao fracasso. No Sul-Americano, realmente, os meninos não foram bem, não vimos uma equipe nos jogos, um planejamento tático bem definido. Dependíamos muito da questão individual e, como não temos tanta qualidade assim, tivemos dificuldade. É difícil avaliar o trabalho do Gallo assim, seria antiético da minha parte. O que me deixou mais preocupado foi colocarem uma equipe forte fisicamente. Isso não é o maisa importante, nunca podemos desprezar a qualidade tecnica da nossa equipe e uma formação tatica bem definida.

Depois de um período nos Emirados Árabes, Jorginho está de volta ao Brasil e à procura de propostas. O treinador afirmou que não tem mais vontade de voltar a integrar comissões técnicas e garantiu foco na carreira "solo".

- Já havia declarado que não queria mais retornar como auxiliar técnico, na Seleção ou em qualquer outro lugar. Gosto de seguir minha vida como treinador e quero dar continuidade à carreira que eu comecei no América-RJ, em 2005.