icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
24/04/2014
08:15

O trabalho de um campeão do UFC começa muitos dias antes de entrar no octógono para defender seu cinturão. Um bom exemplo disso é a promoção que os lutadores têm de exercer para elevarem o apelo de suas lutas ao se aproximar da data. No caso de Jon Jones, maior nome da organização na atualidade, esse exercício é árduo. Em apenas um dia de trabalho, o campeão meio-pesado do Ultimate concedeu mais de 20 entrevistas a veículos do mundo inteiro para falar de sua defesa de título contra Glover Teixeira, que acontece neste sábado, pelo UFC 172, em Baltimore (EUA). E uma delas foi ao LANCE!Net.

Se dentro do octógono o campeão consegue dar seu recado na maioria das vezes antes dos 25 minutos previstos para lutas valendo cinturão, o americano consegue desempenhar o mesmo êxito na hora de dar entrevistas. Em poucos minutos, contados a rigor pela equipe de comunicação do Ultimate, Jones falou sobre seu carinho pelo Brasil, a vida de campeão, mandou uma mensagem a Anderson Silva e, claro, analisou seu desafio contra Glover.

L!TV analisa disputa entre Jon Jones e Glover Teixeira

Logo após a disputa épica contra Alexander Gustafsson, em setembro passado, onde venceu na decisão dos juízes e alcançou o recorde de seis defesas de cinturão consecutivas, Jones chegou a afirmar que a dificuldade encontrada no duelo faria dele um lutador ainda melhor. Porém, ao ser perguntado se sente que tem de provar ao mundo o aperfeiçoamento de suas técnicas, o americano se mostrou seguro e focado em seu próximo compromisso.

- Sinto que não tenho nada a provar depois da minha última luta com Gustafsson. Pelo contrário. Naquela luta, provei que tenho alma de campeão. Foi uma ótima luta, uma grande oportunidade de me testar como campeão, mas agora é um novo dia, tenho um novo oponente e uma nova oportunidade. Meu objetivo é dominar Glover. As pessoas falam muito dele, mas quero mostrar que posso ser o único no mundo a dominá-lo de uma forma indiscutível e nunca antes vista - declarou Jones, emconversa por telefone com o L!Net.

Segurança parece ser mesmo uma característica predominante na mente de um campeão. Mesmo diante de Glover Teixeira, um adversário que não perde uma luta desde 2005 - o que significa uma invencibilidade de 20 combates-, Jones se limita a manter o foco apenas no objetivo de pôr em prática seu talento marcial. 

Jon Jones é o maior nome do UFC na atualidade (FOTO: Divulgação/UFC)

- Não tenho nenhuma preocupação quanto ao jogo de Glover. Nada me deixa preocupado. Penso apenas que tenho de ir lá e lutar, fazer o que sei. Tenho de mostrar o quanto sou bom e fazer meu trabalho. Apenas isso. Só preciso disso. Respeito Glover, temos estilos poderosos e fazemos tudo muito bem. Apenas me preocupo em estar na minha melhor forma para me sair bem. Se eu conseguir colocar em prática tudo o que sei, não há outro resultado que possa acontecer que não seja a minha vitória. Sou o campeão e continuarei assim - afirmou o campeão, esbanjando confiança.

Confira um bate-papo com Jon Jones
Você já disse que gostaria de lutar no Brasil. Continua com essa ideia?
Eu adoraria lutar no Brasil. Tenho uma legião de fãs muito grande lá e amo o país. É meu lugar favotiro. De verdade. As pessoas me tratam bem, como jamais poderia esperar. Em nenhum lugar do mundo é assim. Amo esse lugar. Quero dizer obrigado ao Brasil por toda a energia e que me mandam através das minhas redes sociais. O brasileiro é uma ótima pessoa. Foi uma honra estar lá e tenho muito respeito não só pelo público como por qualquer lutador brasileiro.

Sua vontade de lutar no Brasil é grande a ponto de você pedir isso ao UFC?
Acho que não. Amo o Brasil e seria uma experiência incrível, mas tenho de admitir que a América é onde gosto de lutar. Amo os fãs americanos, me dou bem com eles, e estou feliz lutando por aqui.

Se você pudesse mandar uma mensagem a Anderson Silva, o que você diria?
Anderson, parabéns e obrigado por tudo o que você fez pelo esporte. Desejo que você se recupere da lesão em paz, que nada atrapalhe sua recuperação e que você possa ser e fazer o que quiser daqui para frente.

Qual é a melhor e a pior parte de ser um campeão do UFC?
A melhor é receber o carinho e a energia do público em todo o lugar. Isso nos deixa mais forte para continuar trilhando nosso caminho de forma cada vez mais inspiradora. Ruim? Não há nenhuma parte ruim. Ser campeão do UFC é uma grande oportunidade na minha vida e ainda quero continuar fazendo isso por muito tempo.