icons.title signature.placeholder Michel Castellar
15/02/2015
17:05

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, sepultou de vez o sonho de que o desfile do Grupo Especial das Escolas de Samba de 2016 tivesse por tema os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Mas uma agremiação já o informou que irá desenvolver o enredo e outras, que seguirem o exemplo, irão receber uma ajuda extra do município.

De acordo com Paes, a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) o convenceu a desistir da ideia. O principal argumento foi a probabilidade de o desfile se tornar enfadonho para o público.

- A tese da Liesa não está errada. A uniformização dos desfiles, um só tema, acaba por pasteurizar muito o carnaval e isso pode não ser bom – disse o prefeito, ao participar na noite de sábado do segundo dia de desfiles do grupo da Série A.

Para o prefeito, o ideal será adotar o modelo utilizado em 2014, com a Portela, no grupo Especial. A tradicional escola de Madureira, Zona Norte, e agremiação para a qual Paes torce, desfilará com o enredo que fala sobre os 450 anos da capital fluminense, a serem completados neste ano.

- Nem sempre o incentivo vem com dinheiro dos cofres públicos. O prefeito pode, por exemplo, tentar pedir patrocínios para escolas – explicou Paes.

Na busca pelos patrocínios extras, a União da Ilha do Governador saiu na frente e já anunciou que os Jogos serão o tema de seu enredo em 2016. A escola abordou parcialmente o assunto em 2012 ao desenvolver o enredo "De Londres ao Rio: Era uma vez uma... Ilha".

Na ocasião, a União da Ilha contou a história de Londres, sede dos Jogos Olímpicos de 2012. E encerrou o seu desfile com uma alusão à saída das competições da capital inglesa para o Rio.

- A Ilha já falou que vai fazer. Se tiver outra escola, não tem problema. Mas o ideal é que não seja todo mundo com o mesmo enredo – concluiu Paes.

VITÓRIAS E DERROTAS NA SAPUCAÍ

Esporte nem sempre dá sorte na pista do Sambódromo carioca e as escolas de samba que se aventuraram a contar histórias relacionadas ao tema viveram altos e baixos. Mas, recentemente, a Unidos da Tijuca, saiu ovacionada da passarela e terminou com o título de campeã do ano passado ao homenagear o piloto Ayrton Senna.

Os casos de sucesso se estendem também à Mangueira e à Beija-Flor. Em 1997, a Verde e Rosa falou dos Jogos e do sonho do Rio de ser a sede olímpica de 2004 e obeteve o terceiro lugar, já a escola do então carnavalesco Joãozinho Trinta embalou a Sapucaí com o enredo “O Mundo e uma Bola”, em 1986, e foi a vice-campeã.

Mas há casos em que a aventura esportiva não foi bem sucedida. A pior delas ocorreu em 1998 quando a atual campeã do carnaval, ainda sem a grandeza atual, homenageou o Vasco da Gama, acabou em penúltimo lugar e foi rebaixada para o antigo grupo de Acesso.

Outras aventuras também malsucedidas ocorreram em 2007 com a Portela que falou dos Jogos Pan-Americanos e obteve a oitava colocação colocação e a Estácio de Sá, em 1995, ao homenagear o centenário do Flamengo, sétimo lugar.

O ESPORTE E O SAMBA

2014 - Unidos da Tijuca - Ayrton Senna - Campeã.

2014 - Imperatriz Leopoldinense - Zico - 5º lugar

2007 - Portela - Jogos Pan-Americanos - 8º lugar

1998 - Unidos da Tijuca - Vasco da Gama - 13º lugar

1997 - Mangueira - Os Jogos Olímpicos - 3º lugar

1995 - Estácio de Sá - Flamengo - 7º lugar

1986 - Beija-Flor - Futebol - 2º lugar