icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/07/2013
09:48

Hoje líder do Brasileirão, o Botafogo volta ao Rio Grande do Sul para enfrentar o Grêmio, no domingo, após uma longa história de superação que começou contra o mesmo adversário e no mesmo estado, em 14 de outubro do ano passado. Na época, o empate por 1 a 1, com gol de Bruno Mendes, aos 46 minutos do segundo tempo, aliviou a pressão sobre o técnico Oswaldo de Oliveira e a partir de então o grupo alvinegro só cresceu.

Desde aquele duelo, Oswaldo de Oliveira afastou o fantasma da demissão, o grupo alvinegro "se fechou" e o aproveitamento nos 38 jogos seguintes foi de 73,68%, com 25 vitórias, nove empates e somente quatro derrotas.

O empate no Estádio Olímpico ficou marcado pelo espírito de luta do elenco alvinegro e por toda a união em torno de Oswaldo de Oliveira, que antes daquela partida vinha sendo muito vaiado pela torcida. O aproveitamento dele era de apenas 53,44%, em 58 compromissos.

De lá para cá, com o trabalho de Oswaldo mantido, o Botafogo foi campeão da Taça Guanabara, da Taça Rio e do Estadual. O treinador conquistou novamente o torcedor e peças contestadas, como o atacante Rafael Marques, passaram a produzir muito mais. Agora, encarar o Grêmio de novo pode selar toda a filosofia construída no último encontro.

– Chegamos na sétima rodada onde queríamos, na liderança. E temos de encarar isso como uma forma de motivação. Se outro clube fosse líder, nós estaríamos querendo a vaga deles. Então temos que nos manter no lugar que tanto batalhamos para chegar – disse o zagueiro Dória, titular na partida contra o Grêmio no ano passado e motivado para novamente escrever uma bela história.

Hoje líder do Brasileirão, o Botafogo volta ao Rio Grande do Sul para enfrentar o Grêmio, no domingo, após uma longa história de superação que começou contra o mesmo adversário e no mesmo estado, em 14 de outubro do ano passado. Na época, o empate por 1 a 1, com gol de Bruno Mendes, aos 46 minutos do segundo tempo, aliviou a pressão sobre o técnico Oswaldo de Oliveira e a partir de então o grupo alvinegro só cresceu.

Desde aquele duelo, Oswaldo de Oliveira afastou o fantasma da demissão, o grupo alvinegro "se fechou" e o aproveitamento nos 38 jogos seguintes foi de 73,68%, com 25 vitórias, nove empates e somente quatro derrotas.

O empate no Estádio Olímpico ficou marcado pelo espírito de luta do elenco alvinegro e por toda a união em torno de Oswaldo de Oliveira, que antes daquela partida vinha sendo muito vaiado pela torcida. O aproveitamento dele era de apenas 53,44%, em 58 compromissos.

De lá para cá, com o trabalho de Oswaldo mantido, o Botafogo foi campeão da Taça Guanabara, da Taça Rio e do Estadual. O treinador conquistou novamente o torcedor e peças contestadas, como o atacante Rafael Marques, passaram a produzir muito mais. Agora, encarar o Grêmio de novo pode selar toda a filosofia construída no último encontro.

– Chegamos na sétima rodada onde queríamos, na liderança. E temos de encarar isso como uma forma de motivação. Se outro clube fosse líder, nós estaríamos querendo a vaga deles. Então temos que nos manter no lugar que tanto batalhamos para chegar – disse o zagueiro Dória, titular na partida contra o Grêmio no ano passado e motivado para novamente escrever uma bela história.