icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
22/11/2014
20:10

Em um partidaço no Mangueirão, em Belém, com público de 37.960 pessoas (renda de R$ 1.610.710), o Macaé empatou em 3 a 3 com o Paysandu e sagrou-se campeão da Série C (na ida, no Rio de Janeiro, 1 a 1).

O jogo teve de tudo. Fora de campo, um engarrafamento monumental que fez parte da torcida entrar durante o primeiro tempo e o Macaé chegar atrasado (e sem tempo para aquecer), mosaico do Papão, várias chances para ambos os times, duas bolas no travessão, e gol de letra que foi uma pintura. E para deixar o duelo ainda mais dramático, por três vezes o Papão ficou na frente, o que lhe daria o título, e o Macaé buscou o empate.

O torcedor do Papão fecha o ano com o acesso, mas também com certa amargura: no ano do centenário do clube, o Paysandu foi tri-vice: do Paraense, da Copa Verde e da Série C.

O Paysandu fez 1 a 0 numa cabeçada de Zé Antônio aos 17 do primeiro tempo e o Macaé empatou com João Carlos, também de cabeça. O placar do primeiro tempo levaria a decisão para os pênaltis. Mas logo no início da etapa final o Papão voltou a ficar na frente, gol de Ruan. A festa da torcida durou pouco, pois João Carlos voltou a marcar.

Com o 2 a 2 qualquer empate passava a dar o título ao Macaé. Só que aos 22 veio o lance mais fantástico da partida. Felipe Machado, num vacilo, perdeu a bola para Pikachu, que entrou na área e cruzou rasteiro para Rômulo. O atacante tocou de letra, fazendo 3 a 2. Golaço.

Aos 31, Diego recebeu livre pela direita e voltou a empatar para o Macaé. Foi o primeiro gol do lateral na competição e, que, no fim das contas, valeu o caneco e calou a torcida paraense. Além de Macaé e Paysandu, o CRB e o Mogi Mirim, que caíram nas semifinais, subiram para a Série B em 2015.