icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
27/02/2015
15:00

O julgamento do nadador brasileiro João Gomes Jr., flagrado em exame antidoping durante o Mundial em Piscina Curta de Doha (QAT), no ano passado, foi realizado nessa sexta-feira, na Suíça, e terminou conforme esperado: o atleta foi suspenso pela FINA por seis meses, até 3 de junho desse ano.

Apesar da condenação e suspensão do nadador, o Brasil não perderá as medalhas do Mundial, mantendo-se como campeão absoluto do evento disputado em dezembro do ano passado.

João participou das eliminatórias em três revezamentos com a Seleção: nos 4x50 e 100m medley masculino e 4x50m medley misto. Nas provas finais, ele foi substituído pelos atletas titulares.

À reportagem do LANCE!Net, em janeiro desse ano, o presidente da CBDA, Coaracy Nunes, havia dito que o Brasil não poderia ser prejudicado nas medalhas devido ao erro de João.

– Esse garoto participou de três eliminatórias. Não era o titular. Vamos ‘jogar’ com os titulares na próxima vez. Não vamos tomar prejuízo – comentou Coaracy.

No Mundial de Doha, o Brasil conquistou dez medalhas no total, sendo sete delas de ouro, uma de prata e duas de bronze. Gomes somente participou das provas de revezamento.

Confira abaixo a decisão da Federação Internacional de Natação (FINA) na íntegra:

"No dia 4 de dezembro de 2014, o nadador João Luiz Gomes Jr. (BRA) testou positivo para a substância Hidroclorotiazida (Classe S.5 Diuréticos e outros agentes mascaradores) durante a disputa do Mundial de Natação da FINA em Doha (QAT).
 
O painel de doping da FINA decidiu, de acrordo com a Regra 10.4 da FINA, impor ao atleta um período de seis meses de inegibilidade, iniciando no dia 4 de dezembro e encerrando no dia 3 de junho de 2015, por conta de sua primeira violação da regra antidoping.
 
Além disso, o Painel de Doping da FINA decidiu que todos os resultados atingidos pelo nadador em ou após 4 de dezembro, serão anulados, junto com o que sucedeu-se à isso (desistência de medalhas/prêmios, reembolsos de premiação).
 
Os resultados do revezamento masculino brasileiro obtidos no Mundial de Natação da FINA em Doha (QAT) não foram cancelados. A motivação da decisão do Painel de Doping da FINA será divulgada no futuro."