icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese e Léo Burlá
12/07/2014
15:15

A Alemanha é o time do conjunto. A Argentina, de Messi. A definição da decisão da Copa do Mundo é quase um discurso pronto, mas o técnico alemão, Joachim Löw, discorda. Para ele, os hermanos mostraram uma organização incrível nesta Copa, estão fortes defensivamente e são muito mais que o craque argentino.

- Esse time não é só Messi. Se alguém acha isso, é um erro grave. A Argentina tem outros atacantes maravilhosos, como Higuaín, Di Maria, Aguero. Esse time não depende apenas do Messi. Claro que é um jogador que consegue determinar o andamento de uma partida, mas esse time está mais organizado, foi isso que mostraram no torneio. Acredito que ele vão tentar manter a posse e depois contra-atacar. Serão dois times que vão se confrontar no mesmo nível. Mas temos auto-confiança com base nos nossos jogos passados. Se fizermos o que fizemos bem, vamos ganhar - disse o treinador germânico, em entrevista coletiva no Maracanã, neste sábado.

Ao contrário de 2006, quando Messi foi criticado por fazer uma Copa ruim e não evitar a eliminação para a própria Alemanha nas quartas de final, após derrota por 4 a 0, o camisa 10 agora é um dos destaques da equipe, ao lado do volante Mascherano.

Löw analisa que o rival pode atuar de duas formas neste domingo, seja esperando atrás e apostando nos contra-ataques, seja tentando abafar a saída de bola para tentar marcar logo no início do jogo.

- A Argentina pode jogar os dois estilos. É um time que consegue defender no começo, pressionar e, às vezes, tentam atacar. Esse é um dos pontos fortes. Eles têm uma boa defesa, e depois Messi, Higuain, Di Maria... Eles conseguem as duas coisas. Mostraram muito bem que podem ser estáveis com oito, nove jogadores recuados e depois contra-atacar. Pode ser também que tentem atacar no começo e depois recuem - afirmou o alemão.

Alemanha e Argentina decidem a Copa do Mundo às 16h deste domingo, no Maracanã. As duas seleções se enfrentaram nas finais de 1986, com vitória para os argentinos, e depois no Mundial seguinte, em 1990, desta vez com sucesso dos alemães. O jogo será um tira-teima histórico.