icons.title signature.placeholder TENIS NEWS
11/02/2015
16:15

A exibição particular agitou as memórias da famosa partida do US Open de 1991 entre Connos e o também americano, e amigo de Connors, Aaron Krickstein. Três próteses de quadril depois, Connors concordou com a revanche, aceitando o convite para jogar um set perante uma pequena plateia no St. Andrews Country Club, onde Krickstein é diretor de tênis.

Antes da partida, Connors, dono de 109 títulos de simples na ATP e 1253 vitórias,  comentou que seria sua última partida em público, pois seu quadril dificulta muito que ele consiga jogar de modo competitivo. O americano não jogava diante de uma plateia há dois anos, e ao mesmo tempo que entrava em quadra aparentando estar em forma, também aparentava estar pronto para a aposentadoria.

Antes do fim do aquecimento, Connors tremia o braço esquerdo. Após o segundo ponto, ele parecia sem ar. Após três games de partida ele colocava a mão no peito e checava sua pulsação no pescoço, brincando com a plateia, como sempre.

“Eu queria ter 47 anos novamente,” brincou Connors durante uma longa troca de bolas. Ele perdeu a partida por 8-5.

No entanto, Connors, aos 62 anos, pareceu sincero quando disse que gostou da reunião. Quando Kickstein o telefonou oito meses atrás para fazer convite foi a primeira vez que os dois se falaram em muitos anos.

“Não houve uma razão em especial, nossos caminhos apenas nunca se cruzaram,” comentou Krickstein. “Apenas isso, não guardo nenhum rancor contra Jimmy Connors por ter perdido aquela partida em 1991.”

A partida em questão é tida como uma das mais memoráveis na história do tênis. No dia do trabalho, que calhou de ser o 39º aniversário de Connors, o vencedor de oito títulos de Grand Slam lutou contra uma desvantagem de 2/5 no quinto set para vencer, continuando com sua corrida história à semifinal no US Open de 1991.

“Foram os melhores 11 dias da minha carreira,” disse Connors.

Nos anos seguintes, a partida tem sido mostrada frequentemente nas redes de TV durante os adiamentos por chuva no US Open. Connors confessa nunca ter assistido o replay e se diz indagado pela longevidade da partida.

“Eu não entendo o que penetrou a imaginação e memória das pessoas, com tudo o que acontece hoje com o tênis e todos os, supostamente, grandes jogadores,” ele disse, mostrando todo seu desdém pelo tênis atual. “Agora não digam ‘ele é arrogante’. Estou apenas constatando um fato – por que aquela partida?”

Após a aposentadoria, Connors treinou Andy Roddick por um tempo, mas após isso teve pouca relação com o esporte. Ele diz preferir sua era, quando as rivalidades eram quentes e as partidas menos gentis.

“Nós demos tudo aos fãs – diversão, controvérsia, excitação, drama, personagens,” ele disse. “E muitos não gostavam de nós exatamente por isso, tudo o que recebemos foram críticas.”

Connors alegadamente fez o papel de bad-boy durante uma grande parte de sua carreira, no entanto a exibição foi uma celebração de amor e Connors mostrou seu melhor comportamento.

O tenista vestia um suéter sem mangas, exatamente como quando jogava o tour. Mas em vez de shorts Connors usava longas calças. Ele também deixou em casa sua Wilson T2000, raquete que já era ultrapassada mesmo quando ele venceu títulos com ela.

“Para mim a partida divertida do tênis era correr, e isso é algo que eu não poso fazer mais,” ele disse. “É frustrante.”

Ele deixou a linha de fundo apenas quando não tinha nenhuma escolha, e mancou um pouco quando precisou se mover muito. No entanto, seus golpes da linha de fundo estavam impecáveis como sempre e ele ainda conseguiu aplicar várias passadas em Krickstein, para delírio dos espectadores.

“Estou tão surpreso quanto vocês,” brincou Connors após uma passada.

O juiz de cadeira Jimmy Arias, ex-top 5, brincou com o momento que Krickstein escolheu para a reunião.

“Ele esperou Jimmy ter 62 anos, com três “novos quadris”, então o convidou para seu club na superfície que Jimmy menos gosta,” Arias disse à plateia.

Krickstein riu e sorriu novamente pouco tempo depois quando selou a vitória, sua primeira em todos os jogos que fez contra Connors. Os dois abraçaram-se na rede e conversaram com os fãs sobre os velhos tempos, juntos.

“Eu era um bom vilão,” disse Connors, no tempo passado.