icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
28/11/2014
13:43

O zagueiro Jemerson tem menos de dois anos como jogador do time profissional do Atlético-MG. Mesmo assim, o garoto de Jeremoabo, na Bahia, tem escrito o seu nome na história não apenas pelas excelente exibições na defesa, mas também pelos títulos conquistados. O primeiro deles foi o Campeonato Mineiro de 2013, seguido da épica vitória na Libertadores, quando viu da arquibancada e do banco de reservas o triunfo alvinegro.

- Eu assisti a maior parte da Libertadores do ano passado da arquibancada, como qualquer outro atleticano. Estive no banco na partida contra o Newell’s, mas em todas as outras vi aquela conquista junto com a Massa, no Independência e no Mineirão. Acho que isso me fez aprender muito sobre o Atlético e sobre a torcida. Sei o que eles esperam dos jogadores e tento corresponder. Sempre que entro em campo, vou disposto a dar a vida pelo time, e sei que meus companheiros também pensam assim. Por isso que as conquistas têm acontecido e estamos escrevendo nossos nomes na história do Galo - comenta o zagueiro.

MAIS:
> Donizete brinca ao relembrar chegada de Levir no Galo
> Mineirão deverá ter mais jogos do Galo no próximo ano

A primeira taça levantada pelo Galo com participação efetiva do zagueiro foi a Recopa Sul-Americana deste ano, quando substituiu o capitão Réver na primeira partida da final contra o Lanús.

- A Recopa foi uma reviravolta na minha carreira. O professor Levir demonstrou que confiava e apostou em mim, um garoto da base que não tinha tanta experiência. Graças a Deus, fiz um bom jogo na primeira partida e não sofremos gols na Argentina. Aquilo fez com que a torcida olhasse com menos desconfiança e passasse a acreditar em mim. Mostrei que poderia fazer um bom trabalho. A partir dali, infelizmente o Réver voltou a se machucar, mas aproveitei a oportunidade que tive e acabei me firmando - disse.

Daí em diante, começaram a ser frequentes os elogios do treinador, dos companheiros e também da torcida, que o elegeu seu novo xodó.

- Eu fico muito feliz com os elogios e eles me motivam muito, mas não me acomodo e quero sempre melhorar e evoluir. Nunca fui um cara de falar muito, sou mais quietinho, gosto de ficar no meu canto e fazer o meu trabalho com essa intenção. Sei que, da mesma maneira que os elogios acontecem, se eu errar ou deixar de me preparar da melhor maneira, as críticas também vão aparecer. Por isso, é importante manter os pés no chão e a cabeça boa, sempre com muita humildade - declarou.
 
Sobre a conquista da Copa do Brasil, torneio do qual foi titular em todas as oito partidas, tendo anotado um gol diante do Palmeiras, Jemerson afirmou ser um momento difícil de descrever em palavras.

- É até difícil de falar, pois só a gente sabe o que passou até conquistar esse título. Foi muito difícil, passamos por muitas provações, mas superamos os nossos adversários mostrando o que temos de melhor, que é a vontade e a técnica. É uma conquista muito importante, de um grupo que lutou muito para que o título viesse e pudéssemos dar esse presente para a nossa torcida - concluiu.

Jemerson chegou a 45 jogos com a camisa do Galo, com 27 vitórias, 7 empates e 11 derrotas. Neste período, conquistou o Campeonato Mineiro (2013), a Copa Libertadores (2013), a Recopa Sul-Americana (2014) e a Copa do Brasil (2014).