icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes, Maurício Oliveira e Thiago Salata
14/07/2014
09:03

Jefferson e Victor terminaram a Copa do Mundo como os únicos entre os 23 convocados por Luiz Felipe Scolari a não entrarem em campo. A falta de oportunidades este ano, por sua vez, pode se tornar em uma efetiva titularidade a partir do ciclo que se iniciará para o torneio na Rússia, em 2018.

Julio Cesar, o atual dono da meta do Brasil, ainda não oficializou a saída definitiva da Seleção, mas já avisou que a competição no Brasil foi a última da carreira. Em setembro, ele completará 35 anos e chegaria ao próximo Mundial perto dos 40. A atual idade do titular será a mesma dos dois suplentes no ano da Copa em território
russo.

Além da maturidade, a experiência do primeiro Mundial este ano pode ser um fator preponderante para que os goleiros de Botafogo e Atlético-MG liderem o processo de sucessão de Julio Cesar no gol do Brasil.

- Sem dúvida, chegou a nossa hora. Tivemos muita experiência nessa Copa, eu e o Victor. Estamos muito mais maduro para a Copa de 2018 - disse Jefferson, o reserva imediato de Julio no Mundial.

Victor, apesar de ter disputado a Copa na condição de terceiro goleiro, também compactua da opinião do atual concorrente e acredita que poderá estar entre as opções para a próxima Copa.

- Temos quatro anos até a próxima Copa, vamos procurar nos manter bem. Mas com certeza ganhamos experiência por ter vivenciado esse torneio - comentou o jogador.

Sem citar nomes, Julio Cesar não dá respaldo apenas para os atuais companheiros na Seleção como também elogia a atual geração de goleiros do Brasil e prevê uma disputa acirrada para os três nomes que defenderão da Seleção na Rússia.

- Acho que a safra de goleiros brasileiros é muito boa. Com certeza, se o Felipão continuar ou entrar outro treinador, vão ter seis, sete nomes ou oito nomes para servirem à Seleção Brasileira tranquilamente - apostou Julio Cesar.

Felipão só testou quatro goleiros

Desde que assumiu o comando da Seleção Brasileira, em fevereiro do ano passado, o técnico Luiz Felipe Scolari restringiu a disputa no gol apenas a quatro nomes. Além de ter mantido os quatro goleiros que já haviam sido testados por Mano Menezes, Felipão bancou a titularidade de Julio Cesar, minimizando a falha dele no Mundial de 2010, quando o Brasil caiu nas quartas de final para a Holanda.

Na Copa das Confederações de 2013, o comandante do Brasil optou por levar Diego Cavalieri, além de Julio Cesar e Jefferson. A única mudança para o Mundial deste ano foi a troca do goleiro do Fluminense por Victor.

Gomes e Doni, reservas de Julio Cesar na Copa da África do Sul, em 2010, com Dunga, jamais tiveram uma nova oportunidade com Felipão. Mano Menezes, o antecessor do técnico, chegou também a dar algumas chances a Diego Alves. Apesar disso, a Copa América de 2011, os escolhidos por ele para o torneio foram Julio e Cesar Victor.

Goleiros brasileiros nas últimas Copas

2002

Marcos
Dida
Rogério Ceni

2006

Dida
Julio Cesar
Rogério Ceni

2010

Julio Cesar
Gomes
Doni

Quem pode estar no processo de renovação no gol do Brasil

Jefferson - Botafogo (terá 35 anos em 2018)

Victor - Atlético-MG (terá 35 anos em 2018)

Diego Alves - Valência (ESP) ( terá 33 anos em 2018)

Neto - Fiorentina (ITA) (terá 29 anos em 2018)

Rafael - Napoli (ITA) ( terá 29 anos em 2018)