icons.title signature.placeholder Alexandre Braz, Thiago Henrique e Vinícius Perazzini
icons.title signature.placeholder Alexandre Braz, Thiago Henrique e Vinícius Perazzini
12/07/2013
18:22

Um bom time de futebol começa com um bom goleiro. E o Botafogo é uma prova disso. Manga na década de 60 e Wagner na de 90, são os principais exemplos de times formados pelo alvinegro que conquistaram os torcedores. Agora, chegou a vez de Jefferson, que completa 300 jogos pelo Glorioso, marcar história com a camisa 1 e ter seu nome gravado na memória.

- É uma honra (essa marca) e quero fazer ainda mais pelo Botafogo. Um clube famoso por ter tantos ídolos. Sei que o clube é cercado de jogadores que fizeram muita história. Posso falar que os que mais admiro são o Manga (goleiro que defendeu o Botafogo de 1959 a 1968) e o Wagner, que foi campeão brasileiro em 1995 - disse o arqueiro, exaltando essa conquista pessoal no clube:

- Esse número tem um gosto especial para mim. Lutei muito aqui no Botafogo para conseguir o espaço que tenho hoje. Fico até brincando, dizendo que 'roemos o osso' aqui no passado e hoje a estrutura é superior. Não esperava essa marca por um só clube. Claro que pensarei nisso até o jogo, mas em campo esquecerei por 90 minutos. Espero que eu tenha um reconhecimento do clube para colocar no meu mural como lembrança.

E MAIS:

>Jefferson revela que já abriu mão de grana para ficar no Bota
>Jefferson e Seedorf tiveram atritos no início

Nesses 300 jogos pelo Botafogo, Jefferson teve grandes momentos e alguns até memoráveis, como recorda o goleiro:

- O primeiro foi pênalti do Adriano. Tudo mudou na minha vida a partir daquela defesa (na final da Taça Rio de 2010). Depois que a nós fomos campeões carioca, a vida foi outra. O segundo grande momento foi a minha primeira convocação para a Seleção. Não esqueço até hoje, foi marcante. Minha família toda chorou, foi um sonho realizado, muita luta.

Ídolo, Jefferson fala sobre sua carreira no Botafogo

Um bom time de futebol começa com um bom goleiro. E o Botafogo é uma prova disso. Manga na década de 60 e Wagner na de 90, são os principais exemplos de times formados pelo alvinegro que conquistaram os torcedores. Agora, chegou a vez de Jefferson, que completa 300 jogos pelo Glorioso, marcar história com a camisa 1 e ter seu nome gravado na memória.

- É uma honra (essa marca) e quero fazer ainda mais pelo Botafogo. Um clube famoso por ter tantos ídolos. Sei que o clube é cercado de jogadores que fizeram muita história. Posso falar que os que mais admiro são o Manga (goleiro que defendeu o Botafogo de 1959 a 1968) e o Wagner, que foi campeão brasileiro em 1995 - disse o arqueiro, exaltando essa conquista pessoal no clube:

- Esse número tem um gosto especial para mim. Lutei muito aqui no Botafogo para conseguir o espaço que tenho hoje. Fico até brincando, dizendo que 'roemos o osso' aqui no passado e hoje a estrutura é superior. Não esperava essa marca por um só clube. Claro que pensarei nisso até o jogo, mas em campo esquecerei por 90 minutos. Espero que eu tenha um reconhecimento do clube para colocar no meu mural como lembrança.

E MAIS:

>Jefferson revela que já abriu mão de grana para ficar no Bota
>Jefferson e Seedorf tiveram atritos no início

Nesses 300 jogos pelo Botafogo, Jefferson teve grandes momentos e alguns até memoráveis, como recorda o goleiro:

- O primeiro foi pênalti do Adriano. Tudo mudou na minha vida a partir daquela defesa (na final da Taça Rio de 2010). Depois que a nós fomos campeões carioca, a vida foi outra. O segundo grande momento foi a minha primeira convocação para a Seleção. Não esqueço até hoje, foi marcante. Minha família toda chorou, foi um sonho realizado, muita luta.

Ídolo, Jefferson fala sobre sua carreira no Botafogo