icons.title signature.placeholder Alexandre Braz, Luiz Gustavo Moreira e Paulo Victor Reis
28/03/2014
20:03

Irritados com a diretoria do Botafogo pelos salários atrasados e também pela postura da cúpula do futebol, que busca reforços em meio às dificuldades financeiras, os jogadores do Glorioso farão protestos nos próximos dias.

Para começar, os atletas subirão ao gramado do campo anexo do Engenhão na manhã deste sábado, no treino, e ficarão parados por cerca de 30 minutos até iniciarem as atividades. O treino de domingo, que estava marcado para às 9h, foi cancelado pelo elenco. A ideia de atrasar o início dos treinos vai se estender para os treinos de segunda e terça-feira, véspera da partida contra o Unión Española (CHI), pela Copa Libertadores.

Ao tomar conhecimento da decisão dos atletas, a comissão técnica apoiou a iniciativa. A diretoria alega que deve apenas um mês de salários, porém, os jogadores reclamam que receberam somente um mês de salário neste ano - os pagamentos são efetuados no dia 20 seguinte a cada mês. Além disso, a quantia foi paga com atraso.

Os dirigentes haviam prometido pagar um mês de salários antes do jogo da próxima quarta-feira. Nesta sexta-feira, no entanto, a notícia de que não havia previsão de pagamento piorou ainda mais o clima nos vestiários.

O elenco alvinegro não entende como a diretoria alega não ter condições de pagar em dia apesar do Botafogo ter perdido jogadores como Seedorf e Rafael Marques, além do técnico Oswaldo de Oliveira.

As investidas do Botafogo por Sheik e Vitinho deram ainda mais combustível para o clima de insatisfação em meio ao elenco, que ainda cobra a premiação pela classificação à fase de grupos da Libertadores.

A iniciativa de protestar foi tomada pelos líderes do grupo. Nesta semana, os jogadores chegaram a se reunir com dirigentes, mas nada capaz de mudar a posição do elenco.