icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/12/2013
10:32

O desejo de muitos clubes brasileiros virou realidade na sexta-feira passada, quando a CBF oficializou o aumento do número de estrangeiros que podem atuar em competições organizadas pela entidade. Eram três e agora são cinco. A notícia garantiu alívio para clubes como Grêmio, Internacional, Coritiba, Vasco e Vitória, que tinham três ou mais estrangeiros em seus elencos na temporada que já se encerrou. O Tricolor gaúcho e o Rubro-Negro baiano foram os clubes que mais lutaram por essa importante mudança.

O futebol brasileiro, cada vez mais conceituado como um dos melhores no aspecto financeiro, tem atraído mais e mais jogadores estrangeiros, principalmente os sul-americanos. O último Brasileirão, por exemplo, começou com 32 atletas de países como Argentina, Uruguai, Chile, Paraguai e Colômbia. No total, a competição contou, em seu início, com 37 atletas de outras nacionalidades.

Um dos jogadores que pode ser uma boa atende pelo nome de Sánchez Miño, apoiador de 23 anos. Avaliado em 3 milhões de euros (R$ 9,5 milhões) pelo site Transfermarkt, especializado no mercado de transferências, ele tem contrato com o argentino Boca Juniors até junho de 2014, podendo assinar um pré-contrato a partir de janeiro.

Outro jogador que pode aumentar o número de sul-americanos no futebol brasileiro é o atacante Lucas Pratto, de 25 anos, que defende o Vélez Sarsfield, também da Argentina. Ele já foi o carrasco do Grêmio na Copa Libertadores de 2011, quando defendia a equipe da Universidad Católica (CHI). Pratto, é avaliado em R$ 7,9 milhões, também de acordo com o Transfermarkt.

SOBE E DESCE DOS ESTRANGEIROS QUE ATUAM NO BRASIL

QUEM AGRADOU

D'ALESSANDRO
O camisa 10 do Internacional carregou o time nas costas nesta temporada, sendo o artilheiro do time no ano, com 20 gols. Fundamental para o Colorado.

MAXI BIANCUCCHI
O período afastado por lesão foi prejudicial, mas Maxi se destacou pelo Vitória no Brasileirão-2013. Foram 11 gols.

SEEDORF
A sua titularidade chegou a ser questionada, mas o holandês do Botafogo foi fundamental durante 2013.

MONTILLO
Ainda não é o Montillo do Cruzeiro, mas apresentou bom futebol na reta final do ano. Tende a crescer em 2014.

MAXI RODRÍGUEZ
O jovem meia uruguaio agradou no Grêmio e deve ter ainda mais chances em 2014, com o aumento do número de estrangeiros por jogo.

QUEM FICOU DEVENDO...

MONTOYA
O meia colombiano chegou ao Vasco cercado de expectativa, mas foi um fiasco. Terminou o ano afastado do time principal.

SCOCCO
O grande destaque do Newell’s na última temporada, deixou a desejar no Inter. Foram quatro gols em 21 partidas. Tendência é por um 2014 melhor, quando realizará a pré-temporada com seus companheiros.

CLEMENTE RODRÍGUEZ
Experiente e vitorioso no Boca Juniros, Clemente deixou e muito a desejar no São Paulo. Não deverá permanecer.

CÁCERES
Jogador da seleção paraguaia, Cáceres perdeu a condição de titular no Flamengo e terminou 2013 em baixa no clube após Amaral ganhar espaço.

BOLATTI
Voltou de empréstimo do Racing (ARG) e nem chegou a ser relacionado antes de se lesionar. Não está nos planos para 2014.

A OPINIÃO DOS ESPECIALISTAS

Veja abaixo o que pensam os especialistas do LANCE! sobre a possibilidade de mais jogadores estrangeiros, principalmente os sul-americanos, serem contratados por clubes brasileiros.

Joana Bueno
Editora de futebol brasileiro do LANCE!
O Brasil atrai cada vez mais de jogadores estrangeiros, e alguns, como Seedorf, fizeram muito sucesso. Ele ser holandês, e não sul-americano, como é comum, dá mais visibilidade ao mercado brasileiro no exterior e na Europa.

Leonardo Pereira
Repórter de futebol internacional do LANCE!
No mercado argentino, um bom nome é o do atacante "Picante" Pereyra, do Belgrano, autor de golaços e artilheiro do Inicial. É bom também ficar de olho em jogadores do Newell’s, apesar da decepção com Scocco.

Rodrigo Cerqueira
Editor de futebol internacional do LANCE!
Com o aumento do poder financeiro dos clubes brasileiros, a chance de conseguir bons jogadores no exterior acaba aumentando muito. É bom ter atletas de qualidade de outros países atuando nas principais equipes.