icons.title signature.placeholder Caio Carrieri, Eduardo Mendes, Maurício Oliveira e Thiago Salata
18/06/2014
11:00


Fantasias dos personagens mexicanos Chapolin, Chaves, máscaras de lutadores famosos no México, tequila... Os torcedores tricolores roubaram a cena antes, durante e depois da partida da última terça, entre Brasil e México, com muita festa no Castelão. Por chegarem mais cedo do que os brasileiros no estádio, os visitantes tomaram conta das ruas por horas antes de bola rolar, às 16h. As duas torcedores rivalizaram na arquibancada.

Jogadores das duas seleções se impressionaram. De acordo com o governo do Ceará, a estimava era de receber cerca de dez mil mexicanos. Só em um navio chegaram 3,6 mil turistas na manhã de segunda. A próxima parada dos mexicanos é Recife, para o jogo contra a Croácia, na segunda, às 17h.

– Estou há seis, sete anos na seleção, e nunca tinha vivido tanta comunhão da torcida com a equipe. É algo que está nos motivando muito, porque sempre tem gente no hotel nos incentivando e animando. Eles ainda conseguiram competir com os brasileiros na torcida. Não nos sentimos como mandantes, mas foi lindo escutar o hino nacional do México e saber que muitos mexicanos estavam conosco no estádio – vibrou o meia Guardado.

– Isso é Mundial. As pessoas vieram, tem mais acesso a ingressos, a vir aos estádios. É uma competição diferente. Hoje estava bastante equilibrado, mesmo sabendo que nossa torcida é superior no Nordeste. Quando jogamos aqui nos sentimos em casa, estão de parabéns pela festa – comentou Daniel Alves.

David Luiz ficou de olho na arquibancada no Hino Nacional para ver o “abraçaço”, campanha lançada pela Seleção para que os torcedores imitassem os jogadores. O zagueiro citou os mexicanos:

– Eu vi muitas pessoas abraçadas, mas o campo estava repartido com mexicanos e brasileiros, não se abraçaram muito não (risos)

Não houve registros de confusão. No fim do jogo, alguns torcedores mexicanos fizeram coro de que Peralta é melhor do que Neymar.

- As duas equipes fizeram um jogo disputado, os dois queriam ganhar. Fora de campo, o estádio estava incrível para os dois lados, mexicanos e brasileiros gritando. Tenho a sensação permanente de que estou na Copa do Mundo, e uma Copa é isso - disse David Luiz.