icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
18/07/2013
16:36

Dois dias após iniciar o recadastramento dos sócios do Bahia, o interventor Carlos Rátis - responsável pelo clube desde a saída do ex-presidente Marcelo Guimarães Filho - reduziu significativamente o valor da taxa cobrada para que o torcedor se associe ao Esquadrão. O título que antes da decisão custava entre R$ 300 e R$350, passa a custar apenas R$10. O valor da mensalidade, porém, segue sendo R$ 40.

- É inadmissível que o clube como o Bahia, com mais de seis milhões de torcedores, tenham apenas 500 sócios pagantes, sendo 300 conselheiros. O Bahia é um bem que ultrapassa a dimensão do próprio bem físico. Queremos associação do torcedor a partir de agora - destacou o interventor, em entrevista a TV Aratu.

A decisão do interventor foi tomada após um início frustrado da campanha de adesão. Segundo o conselheiro e ex-vice-presidente jurídico César Oliveira, eram esperados cerca de 20 mil torcedores, mas menos de 50 tricolores aderiram o programa no primeiro dia de recadastramento.

Ainda segundo César, o clube sofre com a falta de dinheiro até para comprar remédios para os atletas - problema que teria sido resolvido com o cartão de crédito pessoal de um membro da diretoria.




Dois dias após iniciar o recadastramento dos sócios do Bahia, o interventor Carlos Rátis - responsável pelo clube desde a saída do ex-presidente Marcelo Guimarães Filho - reduziu significativamente o valor da taxa cobrada para que o torcedor se associe ao Esquadrão. O título que antes da decisão custava entre R$ 300 e R$350, passa a custar apenas R$10. O valor da mensalidade, porém, segue sendo R$ 40.

- É inadmissível que o clube como o Bahia, com mais de seis milhões de torcedores, tenham apenas 500 sócios pagantes, sendo 300 conselheiros. O Bahia é um bem que ultrapassa a dimensão do próprio bem físico. Queremos associação do torcedor a partir de agora - destacou o interventor, em entrevista a TV Aratu.

A decisão do interventor foi tomada após um início frustrado da campanha de adesão. Segundo o conselheiro e ex-vice-presidente jurídico César Oliveira, eram esperados cerca de 20 mil torcedores, mas menos de 50 tricolores aderiram o programa no primeiro dia de recadastramento.

Ainda segundo César, o clube sofre com a falta de dinheiro até para comprar remédios para os atletas - problema que teria sido resolvido com o cartão de crédito pessoal de um membro da diretoria.