icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
01/12/2013
00:27

O Internacional surpreendeu neste sábado. Mas não foi em campo, no empate em 0 a 0 com o Corinthians, no Pacaembu. Foi fora dele. Desde antes da partida com os paulistas, a informação: os jogadores colorados não estavam liberados para conceder entrevistas antes do jogo e na saída do campo para o vestiário. Reflexo ainda do episódio em que Willians reclamou de Clemer, no último domingo, em Caxias do Sul. Além disso, tem a ver com a discussão no vestiário do Serra Dourada, após a derrota para o Goiás. A proibição partiu da diretoria do clube gaúcho. O meia D'Alessandro concedeu entrevista coletiva, após ida ao vestiário, como corriqueiramente acontece nos clubes. A situação vale também para o jogo com a Ponte Preta, na última rodada do Brasileirão.

- Tivemos uma reunião na semana passada, colocando com clareza os comportamentos que são aceitáveis ao nosso grupo. Para proteger os jogadores do momento de tensão máxima, o momento próximo do fim do jogo, tomamos essa decisão. Por conta disso resolvemos para essas duas partidas proteger eles dessa situação. É da delibração da diretoria, comunicou o grupo na terça e eles cumpriram rigorosamente isso que foi pedido - disse o diretor de futebol Luis Cesar Souto de Moura.

No intervalo, Ednei foi o único a falar. Os outros jogadores fizeram sinais ou falaram que não poderiam dar entrevistas. O meia Alex falou ao final da partida, mas apenas sobre o técnico Tite e sua despedida do Corinthians. Ao ser perguntado sobre a situação, afirmou que era "uma ordem do clube, e vamos respeitar". Para o dirigente, a postura dos jogadores demonstra que está tudo nos trilhos.

- Comando está comprovado que existe, receberam a determinação e não deram entrevista. Foi um entendimento da diretoria, que tínhamos passado por episódios desagradáveis, na questão de Goiânia e em Caxias. Fez com que houvesse uma exposição excessiva dos jogadores em um momento de tensão. Eles vão continuar dando entrevista na medida que se resolver a questão da cabeça quente - completou o diretor.

Em noite de homenagens, Corinthians e Internacional empatam