icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
08/02/2015
21:36

O gramado ruim do Los Lários contribuiu para desqualificar tecnicamente o confronto deste domingo em Duque de Caxias. O equilíbrio entre Tigres e Vasco se limitou à disposição e ao poder de marcação das equipes. O 1 a 1 determinado com um intervalo de apenas dois minutos no início do segundo tempo se arrastou até o fim e justificou a ausência de bom futebol e qualidade em campo.

Agora, o Cruz-Maltino perdeu os 100% de aproveitamento enquanto que o Tigres atingiu o terceiro empate em três rodadas no Estadual. Desta forma, o Vasco caiu para quarta posição, com sete pontos. Na próxima quinta-feira, o Gigante encara o Macaé, em São Januário. O Tigres volta a campo na quarta contra o Friburguense, no Eduardo Guinle.


As três chances de gols com dez minutos de jogo – duas a favor do Vasco e uma para o Tigres – apenas ludibriaram aqueles que apostariam em jogo com ritmo intenso e rápido. É verdade que cada equipe ainda teria mais uma oportunidade para marcar – a do Cruz-Maltino, com Bernardo, parou na trave – até o fim dos primeiros 45 minutos.

O 3-6-1 do Tigres brecou a velocidade que o time de Doriva gostaria de ter à frente. Aos poucos, a marcação da saída de bola ensaiada pelo Vasco nos minutos iniciais perdeu fôlego e o duelo ficou restrito ao meio: muita disputa e pouca criação.



A equipe de Rubens Filho povoou o meio e não deixou o trio formado por Marcinho, Bernardo e Montoya jogar. Sem o avanço dos laterais, o Vasco ficou sem alternativas para atacar e buscar o gol.

E MAIS
> Veja a tabela atualizada do Campeonato Carioca
> Confira, minuto a minuto, como foi o empate do Vasco
> ATUAÇÕES: Marcinho recebe maior nota do Vasco
> Rodrigo critica postura defensiva do Tigres


Assim como no primeiro tempo, a etapa final reservou intensidade logo no início e com cinco minutos a partida estava empatada em 1 a 1.


    Bernardo passou em branco na partida contra o Tigres (Foto: Paulo Sérgio/ LANCE!Press)

O Vasco buscou o empate com um belo gol de Rafael Silva depois que viu o Tigres sair à frente após uma linha de passe dentro da área.

A despeito da vulnerabilidade do sistema defensivo, Doriva apostou na melhor saída pelo meio com Julio dos Santos e na jogada de velocidade pela direita com Yago.

Realmente, o Cruz-Maltino ganhou mais volume e foi mais agressivo. Em contrapartida, ficou exposto aos contragolpes do Tigres, que ainda mantinha os três zagueiros.

O resultado em aberto voltou a acirrar as disputas no meio e travou o jogo. Faltava futebol e qualidade para conclusão dos raros lances de gols. O empate foi inevitável.

TIGRES 1 X 1 VASCO

Local: Los Lários, Duque de Caxias (RJ)
Data: 8 de fevereiro de 2015, domingo
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Luís Antônio dos Santos
Assistentes: Gilberto Stina Pereira (RJ) e Daniel do Espírito Santo (RJ)
Público/renda: 2.130 pagantes
Cartões amarelos: Zé Carlos, Paulinho Guará, Jean Carioca, Santiago (TIG) Luan, Serginho (VAS)
GOLS: Paulinho Guará (3'/2ºT) Rafael Silva (5'/2°T)

TIGRES: Santiago, Zé Carlos, Tiago Spice, Júnior; Matheus, Silva, Edson Barbosa, Alex Sassá, Geraldo (Lucas 26'/2°T), Jean Carioca; Paulinho Guará. TÉC: Rubens Filho

VASCO: Martin Silva, Madson, Luan, Rodrigo, Christiano; Serginho, Lucas (Júlio dos Santos 7'/2°T), Marcinho, Bernardo (Marquinhos 36'/2ºT), Montoya (Yago 7'/2°T); Rafael Silva. TÉC: Doriva