icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
18/11/2013
20:34

A seleção da Espanha chegou na África do Sul, e desde então foi só festa. Os jogadores demonstraram muita emoção em retornar ao palco em que venceram a Copa do Mundo de 2010, e como não poderia deixar de ser, um dos nomes mais concorridos foi o de Iniesta, autor do gol em cima da Holanda, que garantiu o título inédito da Fúria. A Roja enfrenta os sul-africanos no Soccer City, em Joanesburgo, nesta terça-feira.

- É difícil explicar as sensações, estar em um lugar em que aconteceram coisas tão especiais... Isso de que todos os estádios são iguais para os jogadores não é certo, esse é diferente de todos para mim. Tenho muita vontade de pisar, de estar no local do gol. São recordações muito bonitas, muito especiais - disse Iniesta, durante entrevista coletiva, para depois falar do gol:

- Foi muito de instinto. Fiquei sozinho, esperando o passe de Cesc, deum passo para trás para sair do impedimento, não peguei a direção que queria, mas saiu forte e Stekelenburg não pegou, e vocês já sabem como acabou. Eu gosto de dar um sentido coletivo a isso, todos os detalhes fizeram isso acontecer. Foi uma obra de todos.

Iniesta falou ainda sobre a homenagem que fez a Dani Jarque naquele partida. Era um zagueiro do Espanyol que morreu pouco menos de um ano antes com um ataque cardíaco durante a pré-temporada do seu time. Ao fazer o gol, ele levantou sua camisa e mostrou outro com um recado ao antigo amigo.

- Há muitas recordações. Quando Iker levanta a taça... Mas o mais especial é quando levanto a camisa e mostro a mensagem a Dani Jarque. Não fiz a camisa caso marcasse, mas para dedicar-lhe o Mundial, se vencêssemos, para mostrar ao fim da partida. E tudo saiu perfeito. Nem nos melhores roteiros seria assim - concluiu.