icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
07/03/2014
08:02

Contra Comercial e Linense, foram quatro gols e duas goleadas anotadas: 3 a 0 e 4 a 0 – ele não considera os minutos finais da vitória por 3 a 2 sobre o Rio Claro.

O início fulminante de Luciano, agora, passará por mais uma prova: o clássico de domingo contra o São Paulo, no Pacaembu. O jogo pode determinar o futuro do Timão no Paulistão. Um simples empate – somado a uma possível vitória do Ituano contra o Atlético Sorocaba – pode deixar o time perto da eliminação. E o meia-atacante está pronto para mais um teste, o mais importante e difícil até o momento. Ou, pelo menos, diz estar...

– Estou trabalhando. É um clássico, todo jogador quer jogar. Vou me preparar ao máximo para fazer o melhor e sair com os três pontos. Espero fazer muito mais gols com a camisa do Corinthians – afirmou, ontem à tarde, ainda curtindo a fase de artilheiro que o fez sair do quase anonimato para a tabela de artilharia do Timão no Estadual, com apenas um gol atrás de Romarinho.

Curioso é que continua quebrando marcas e superando outros grandes goleadores da história recente do clube. Liedson, em 2003, por exemplo, só balançou a rede no terceiro jogo em que foi lançado por Geninho – o primeiro como titular. O Fenômeno Ronaldo, com Mano Menezes, em 2009, passou em branco na estreia, contra o Itumbiara (GO), mas marcou gol histórico no segundo jogo, no final do Dérbi contra o Palmeiras,
1 a 1, em Presidente Prudente.

Mais perto de Luciano, Guerrero fracassou nos dois primeiros jogos com Tite, em 2012, enfrentando o Bahia e o Vasco – sem contar os minutos finais diante do Cruzeiro.

A personalidade e os números de Luciano, afinal, surpreendem.

– É um momento único, muito gratificante estar vestindo a camisa do Corinthians. Estou iluminado e fiz quatro gols em dois jogos. Espero continuar na mesma pegada.

A torcida também espera. Principalmente no Majestoso de domingo.

NADA DE QUATRO GOLS NOS DOIS PRIMEIROS JOGOS DE OUTROS GOLEADORES DO TIMÃO

Liedson (2003)
Foram duas passagens. Na primeira, em 2003, não fez gol nos dois primeiros jogos e só foi marcar no terceiro, na vitória por 2 a 0 sobre o Botafogo-SP. Na segunda, fez dois na estreia contra o Ituano, mas zerou diante do Paulista.

Tevez (2005)
O argentino foi marcar apenas na terceira partida pelo Timão, contra a Inter de Limeira (SP). Na estreia, contra o América (SP), nada de gols. No segundo jogo, diante do Sampaio Correia (MA), em branco outra vez.

Nilmar (2005)
Um gol nos dois primeiros jogos pelo Corinthians. Na estreia, passou em branco na partida contra o Atlético-PR. No segundo, porém, bola na rede. Em Florianópolis, diante do Figueirense, abriu o placar na vitória por 3 a 2.

Ronaldo (2009)
O Fenômeno passou em branco nos 23 minutos da estreia, contra o Itumbiara (GO), pela Copa do Brasil. Depois, porém, fez o gol de empate por 1 a 1 contra o Palmeiras, no último minutos do clássico em Presidente Prudente.

Guerrero (2012)
Camisa 9 do Timão hoje não fez gol nos dois primeiros jogos. Peruano passou em branco diante de Bahia e Vasco – antes desses dois jogos, havia entrado em campo por apenas quatro minutos contra o Cruzeiro, pelo Brasileiro.

BATE-BOLA

Luciano
Camisa 18 do Corinthians, em entrevista coletiva ontem no CT

‘Se tiver chance contra o São Paulo, vou estar ali para fazer’

Você parece nervoso... Está com vergonha de dar entrevista?
Um pouquinho de vergonha, mas a gente vai se acostumando...

Claro que um atacante sempre espera fazer gols, mas também ficou surpreso com esse início, quatro gols em dois jogos?
Acho que todos trabalham para isso. Espero fazer muito mais gols.

O que facilitou sua adaptação?
Fui bem recebido por diretores, comissão e jogadores, isso ajudou. Foi isso o que aconteceu e dá certo.

Também está nervoso com o clássico com o São Paulo?
Estou bem tranquilo, trabalhando. Se aparecer a chance, vou estar ali para fazer. Vou dar meu máximo para o Corinthians porque o mais importante é o time vencer.

Que atacante destaca e em quem se espelhava na infância?
Atacante brasileiro, o Neymar. E quando eu era pequeno, o Ronaldinho Gaúcho, um excelente jogador. Estou vivendo esse bom momento e, se Deus quiser, espero poder jogar o que ele jogava na época.