icons.title signature.placeholder Russel Dias
04/07/2014
06:03

Além de Campbell e Bryan Ruíz no ataque, a Costa Rica precisará contar com o goleiro Keylor Navas para resistir à postura ofensiva de Robben e da Holanda, no sábado, às 17h, em Salvador.

Além de fechar o gol contra Uruguai, Inglaterra e Itália, o arqueiro do Levante (ESP) foi fundamental ao pegar uma das cobranças de pênalti nas oitavas de final, contra a Grécia, após a prorrogação.

Em meio à boa campanha dos Ticos na Copa do Mundo, Navas, de 27 anos e 1m84m, chegou a ser cotado pelo Barcelona, que acabou contratando Claudio Bravo, do Chile. Mesmo assim, o Mundial foi um salto na carreira dele, que procura não pensar nisso agora, em uma decisão.

– Eu vejo tudo isso com muita tranquilidade, há coisas mais importantes, como um país fazer história na Copa. Estamos em um Mundial que é um sonho, começamos a escrever nossa história, e que seja muito extensa, que seja recordado por todos que vieram ao Brasil para fazer história com muita vontade – disse em uma de suas entrevistas na cidade de Santos, onde treina a seleção desde o início da Copa.

Mas Navas nem sempre foi tão tranquilo assim. Depois de conseguir a classificação inédita para as quartas de final, o jogador desabou em lágrimas, e chorou no estádio.

– No final do jogo, teve algumas lágrimas. Foram lágrimas que não deram para controlar, sentimento puro, essas coisas não se podem esconder, não se podem evitar – disse.

Na terça e na quarta-feira, o defensor não apareceu no treino, por conta de dores no ombro. Na manhã de ontem o médico Vladimir Badilla confirmou que o camisa 1 será titular, tendo que fazer fisioterapia e tomando antiinflamatórios.