icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/07/2014
12:55

Nick Diaz é conhecido no mundo das lutas como um "bad boy". Averso a compromissos com a mídia e de temperamento irregular, o lutador soma desavenças na carreira e envolvimentos em confusões. Com duas passagens pelo Ultimate, o meio-médio flertou com a aposentadoria nos últimos meses até se entender com a organização e fechar o acordo para que receba Anderson Silva em seu retorno no dia 31 de janeiro, em Las Vegas, pelo UFC 183. Diante do anúncio do confronto, o LANCE!Net conta um pouco da história de um dos personagens mais polêmicos do mundo das lutas.

Nascido em Stockton, Califórnia (EUA), Nick teve seu primeiro contato com o esporte através da natação. Até hoje em entrevistas o atleta gosta de classificar a modalidade como maior culpada pelo seu preparo físico diferenciado dentro do octógono. Mas o crescimento do polêmico lutador não foi sozinho. Ele teve o apoio de seu irmão mais novo, Nate Diaz, também lutador do UFC. Ambos cresceram juntos e se destacaram principalmente no jiu-jitsu, sua especialidade. Hoje em dia, apesar da arte apurada no chão, o boxe é a maior arma do americano. 

Depois de conquistar títulos no jiu-jitsu e se testar lutando boxe profissional, Nick começou sua carreira no MMA em 2001. Com oito lutas e duas derrotas no cartel, o lutador chegou ao Ultimate em 2003 e teve uma passagem movimentada, com dez lutas, seis vitórias e quatro derrotas. Seu maior feito foi um nocaute contra o hoje desafiante ao título da categoria Robbie Lawler. Em 2006, depois de ser derrotado por Joe Riggs e ser levado para exames médicos pós-luta, Diaz encontrou o rival num hospital e brigou com o mesmo até a chegada da polícia, que liberou os dois.

Diaz foi campeão meio-médio do Strikeforce (FOTO: Divulgação/Strikeforce)

Depois do UFC, o americano fez uma apresentação pelo PRIDE, em 2007, finalizou Takanori Gomi, mas viu o resultado da luta ser transformado em No Contest (Sem Resultado) por ter sido flagrado no doping pelo uso de maconha. Após o ocorrido, Diaz recomeçou sua carreira e teve passagens pelo Ellite XC e Dream antes de chegar ao extinto Strikeforce, onde foi campeão dos meio-médios. Outra confusão na carreira do lutador aconteceu em 2010. No córner de Jake Shields, então campeão dos médios do evento, Diaz se envolveu numa briga com Mayhem Miller e outros atletas dentro do cage, com direito a transmissão ao vivo pela TV, após o lutador subir ao hexágono para desafiar seu companheiro de treinos.

 
 Confusão no Strikeforce envolveu Diaz, Miller e outros lutadores (FOTO: Reprodução)

Em seu retorno ao Ultimate, em 2011, Nick Diaz foi anunciado como adversário do então campeão Georges Saint Pierre. Porém, depois de faltar a uma coletiva de imprensa e não dar satisfações ao evento, deixando o presidente do UFC Dana White constrangido, o americano foi retirado da disputa e escalado para encarar BJ Penn, oponente que venceu na decisão dos juízes do UFC 137, em outubro do mesmo ano. Na entrevista pós-luta o lutador eternizou com uma frase o bordão "Onde está você, Georges?", se referindo a GSP. 

Na luta seguinte, Diaz enfrentou Carlos Condit, foi derrotado na decisão e novamente flagrado por uso de maconha. Na veradade o atleta tem licença medicinal para o uso da maconha, mas a substância é proibida no esporte. Mesmo assim, o americano seguiu com as provocações a Saint Pierre, conseguiu irritar o rival e ganhou o direito de enfrentar o canadense pelo cinturão em março do ano passado, após um hiato de 13 meses. Com uma promoção protagonizada pela rivalidade entre os dois, o UFC 158 bateu recordes de vendas de pay-per-views e foi o segundo maior sucesso da franquia em 2013. Após cinco rounds, Georges manteve seu título e Diaz deixou no ar sua aposentadoria ao completar o número de 35 lutas, 27 vitórias e nove derrotas.

 
 Dana teve de conter rivalidade entre Nick Diaz e Saint Pierre (FOTO: UFC)

Nos últimos meses, Dana White e o UFC tentaram chegar a um acordo e finalmente conseguiram renovar o contrato de Nick por mais três lutas. Depois de muitas especulações, o acordo para uma superluta com Anderson Silva foi firmado e o americano voltará ao octógono após longos 22 meses diante do adversário mais importante de sua carreira.