icons.title signature.placeholder Rodrigo Vessoni
29/11/2013
11:43

As famílias de Fabio Luiz Pereira, 42 anos, motorista e operador, e Ronaldo Oliveira Santos, 44 anos, montador, serão ressarcidas pela seguradora contratada pela construtora Odebrecht e pelo Corinthians em duas partes.

A primeira consistirá numa espécie de ressarcimento por danos morais, em pagamento único. De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de São Paulo, Antonio de Souza Ramalho, o valor deve ultrapassar a cifra de R$ 50 mil. Mas, se o caso for levado à Justiça, pode chegar a R$ 800 mil.

A segunda parte da indenização pela morte dos dois operários será feita pelo período compatível ao que Fábio e Ronaldo pudessem trabalhar para sustentar suas famílias. Normalmente, os acordos são fechados para  pagamento de salário mensal até que a vítima complete 65 anos.

FUNERÁRIA OFICIAL DEU SUPORTE

A diretoria do Corinthians utilizou-se da funerária oficial do clube para transportar as vítimas da tragédia na Arena. O clube ofereceu à Odebrecht os serviços do parceiro, que personaliza a cerimônia funerária do torcedor.

Foi por meio dessa empresa que o corpo de Fábio Luiz Pereira, que dirigia o Munck da empresa BHM quando foi atingido pelo guindaste, foi levado até Limeira, a cerca de 100km de São Paulo.

O mesmo procedimento foi usado com o corpo do montador Ronaldo Oliveira dos Santos, nascido em Fortaleza (CE) e levado para sua cidade para ser enterrado pelos familiares.