icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
21/03/2014
07:00

O filme parece se repetir a cada partida disputada pelo Flamengo na Libertadores. A promessa de concentração e o clima de confiança, que costumam nortear o pré-jogo do elenco rubro-negro, dão lugar às lamentações pelas novas e imaturas falhas cometidas após um novo resultado ruim. Este tem sido o enredo escrito pelo time de Jayme de Almeida.

No último fracasso, o escorregão de Samir, que culminou no pênalti que deu a vitória ao Bolívar (BOL), se soma a outros erros cometidos pela equipe, que tem sido pautada pela incapacidade de se fazer o simples.

Logo na estreia do time na Libertadores, Amaral, que até então nunca havia jogado uma partida fora do país, foi expulso aos dez minutos de jogo contra o León (MEX). Com um a menos, o Fla acabou sendo derrotado por 2 a 1.

Logo depois, veio a vitória sobre o Emelec (EQU), no Maracanã. Com o triunfo, parecia que o time, enfim, tinha entendido a maneira de se jogar a competição. Doce ilusão. Em vez de vencer e encaminhar a classificação, na rodada seguinte, contra o Bolívar, o Fla conseguiu se complicar. Mesmo vencendo por 2 a 1, os comandados de Jayme demonstraram imaturidade e sofreram o empate em pleno Maracanã – inexperiência essa criticada pelo zagueiro Wallace.

Com o time na lanterna do Grupo 7, Jayme de Almeida, que prefere não criticar as falhas individuais, pede erro zero para que o time avance de fase.

– O Samir não falhou. Foi um problema do gramado. Não adianta ficarmos lamentando. Agora, não podemos mais errar. Temos de vencer os dois próximos  jogos – disse o técnico.

Para manter o sonho da Libertadores vivo, o Flamengo precisa vencer o Emelec, no Equador, e o León, no Maracanã.