icons.title signature.placeholder Marcelo Braga
11/12/2013
16:00

Carlos, Dicá, Oscar, Polozzi, Monga, Odirlei, Marco Aurélio, Luis Fabiano... O que esses nomes têm em comum? Todos fazem parte da seleta galeria de ídolos da Ponte Preta.

Nenhum deles, porém, ganhou um título pelo clube. Ex-meia e também ex-treinador da Macaca, Marco Aurélio afirma que a atual geração não ficará marcada na história se não passar por cima do Lanús (ARG) na final da Copa Sul-Americana, que acontece nesta quarta-feira, às 22h, no estádio Néstor Díaz Pérez.

Vice-campeão paulista em 1977, 1979 e 1981, ele afirma que nenhum desses jogadores será lembrado de uma forma positiva no futuro em caso de fracasso. Rebaixados para a Série B do Brasileirão, muitos jogadores ficam sem contrato nos próximos dias.

- Acho que o título é determinante, porque a diferença das outras épocas é muito grande. Antigamente tinha o time da Ponte. Joguei lá por seis anos, o Dicá por quatro, depois saiu, voltou e jogou mais cinco. Hoje você vê um time e dali um tempo tem outro. Acho que tem que ganhar - afirmou ele.

Técnico da equipe em diversas oportunidades, ele garante que nunca se sentiu pressionado a ganhar um título por conta do jejum do clube. Otimista, porém, acha que Jorginho conseguirá esse feito:

- Tem jogado bem fora de casa, conseguido bons resultados, então as chances são iguais. Pode encaixar um contra-ataque como fez contra o Vélez Sarsfield, indo fechadinho e arrumado. Pode dar certo - afirma.