icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
19/02/2015
16:30

O ex-jogador Luis Figo, candidato ao cargo de presidente da Fifa, na eleição que acontece em maio, lançou nesta quinta-feira o seu projeto. Entre as suas propostas, a que mais se destaca é a de expansão da Copa do Mundo. Ele deu duas opções. Em uma fazer com 40 seleções, aumentando os grupos para cinco seleções. E outra com 48, fazendo dois torneios simultâneos com 24 em continentes diferentes, e um mata-mata em um só país. Porém, a questão que fica é se isso acrescentaria tanto assim à competição.

Como Figo já adiantou que essas novas vagas deveriam ser para seleções de fora da Europa, e poucas equipes se destacariam. Para ter uma ideia de como seria, o LANCE!Net buscou entre as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2014, e simulou quais seriam as novidades. Entre elas estão Panamá, Burkina Faso e até a Nova Caledônia.

Na teoria, a maior parte dessas vagas seriam destinadas a África e Ásia, com cinco e seis, respectivamente. As outras poderiam ficar com duas para a Concacaf (Américas do Norte e Central), uma para a América do Sul e mais duas para a Oceania.

Jordânia e Iraque estariam na Copa do Mundo (Foto: Saeed Khan/ AFP)

A Ásia teve em 2014 "quatro vagas e meia". Ou seja, quatro iriam diretamente, e mais uma para a repescagem. Segundo o regulamento, a fase final tem dois grupos de cinco, duas seleções passam diretamente em cada chave, e os terceiros colocados disputam o direito e enfrentar o quinto lugar da Conmebol. Com 48, basta passar todas as 10. Além da Irã, Coreia do Sul, Japão e Austrália, o continente iria mandar Uzbequistão, Qatar, Líbano, Jordânia, Omã e Iraque para o Brasil.

Burkina Faso também iria garantir uma vaga (Foto: Carl de Souza/AFP)

Na África é ainda mais simples. A fase final conta com cinco confrontos em ida e volta, quem vencer, vai à Copa. Para 2014, Costa do Marfim, Nigéria, Camarões, Gana e Argélia venceram, respectivamente, de Senegal, Etiópia, Tunísia, Egito e Burkina Faso. Estas equipes estariam na Copa idealizada por Figo.

Jamaica está longe da Copa desde 1998 (Foto: Jiji Press/AFP)

Para a Concacaf o critério também seria fácil. A última fase é um hexagonal, em que três passam diretamente e a quarta colocada vai para repescagem com a Oceania. Neste caso é só colocar todas as seis equipes. Além de Estados Unidos, Costa Rica, Honduras e México, Panamá e Jamaica garantiriam a vaga.

Venezuela poderia estrear em Copas (Foto: Juan Barreto/ AFP)

A América do Sul, como já conta com poucas seleções em suas Eliminatórias, deveria ficar com apenas uma vaga a mais. A sexta para 2014 (que não contou com o Brasil, que sediou o evento), foi a Venezuela.

Nova Zelândia poderia fugir da repescagem (Foto: Kazuhiro Nogi/AFP)

Atualmente, a Oceania não tem nenhuma vaga, apenas leva à repescagem contra a Concacaf. A Nova Zelândia, que perdeu para o México, e a Nova Caledônia, que ficaram na frente no quadrangular final do continente, poderiam ser beneficiadas.

Caso Figo quisesse dar alguma vaga à Europa, Suécia, Ucrânia, Romênia e Islândia estariam no páreo.