icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/03/2014
12:43

Apesar das chegadas de El Tanque Ferreyra, Wallyson e Zeballos e a consequente reformulação do ataque do Botafogo - com as saídas de Rafael Marques e Bruno Mendes -, o técnico Eduardo Hungaro reconheceu a carência de peças no ataque nesta temporada. Para o treinador, o ataque ainda necessita ser reforçado para o Alvinegro ter mais opções durante os jogos.

- O Botafogo precisa ser reforçado no ataque, continuamos com esta necessidade - disse o técnico, também na segunda-feira.

Hungaro admitiu, em coletiva, que há uma orientação dele para o time alvinegro usar o atacante Ferreyra como principal opção de ataque. De acordo com o treinador, o entrosamento da equipe tem crescido substancialmente, o que também resulta em um melhor aproveitamento do argentino.

- A orientação (para que o time procure Ferreyra) tem sido dada desde o início. Lá em Moça Bonita, dentro das possibilidades, a equipe procurou jogar com ele. Eles têm entendido o posiciomanento do Ferreyra. A tendência é que isso melhore com o passar do tempo, já que o entrosamento tem sido adquirido - disse Hungaro, citando algumas outras opções ofensivas que considera decisivas para o time:

- Mas não é só o Ferreyra. O Jorge (Wagner) infiltra bem, o Lodeiro está jogando bem próximo (ao ataque), e o Wallyson é o nosso segundo atacante.

Contratado em janeiro, Ferreyra tem 30 anos e atuou em 2013 pelo Olimpia (PAR). Até o momento, o atacante disputou oito jogos - quatro pelo Campeonato Carioca e quatro pela Copa Libertadores. Ele marcou quatro gols, dois em cada uma das competições.

Além de Ferreyra, Zeballos e Wallyson, Hungaro conta com Henrique e os jovens Yguinho e André Luiz, os dois últimos vindos das divisões de base, como opções para o ataque.