icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
09/02/2015
16:26



Herói improvável! Assim pode ser descrito o goleiro Boubacar Barry, da Costa do Marfim. Ele ajudou a seleção a quebrar um jejum de 23 anos sem conquistar a Copa Africana de Nações, que foi decidida apenas nos pênaltis. Ele pegou a derradeira cobrança do arqueiro Razak contra Gana e fez o seu gol, que garantiu o título.

A Costa do Marfim jogou seis partidas durante a competição, mas Barry foi titular em apenas uma, justamente a final. Em um time com jogadores como Yaya Touré, Gervinho e Bony, foi o goleiro reserva que saiu como herói.

Barry chegou para a decisão por pênalti sentindo câimbras após 120 minutos de pura tensão, além de não ter atuado nos outros jogos e sentiu a falta de ritmo.

E MAIS
- Com show de Hulk, Zenit goleia Betis em amistoso preparatório
- Liverpool quer contratar atacante do Benfica para a próxima temporada
- Atlético de Madrid pensa em fazer proposta por atacante do Manchester City

Se o goleiro foi reserva na Copa Africana, durante o Mundial do Brasil ele jogou os três duelos da fase de grupos: vitória sobre o Japão, por 2 a 1, e derrotas para Colômbia e Grécia pelo mesmo resultado. Com esse retrospecto, os africanos acabaram eliminados da Copa do Mundo.

Justamente contra os gregos que o experiente jogador, de 35 anos, protagonizou um dos lances mais curiosos do Mundial. Era última rodada da fase de grupos e só a vitória classificaria a Costa do Marfim, mas Samaris havia feito 1 a 0 para os europeus. Mas Bony fez, aos 29 minutos do segundo, o gol de empate dos Elefantes. Na comemoração, Barry exagerou na dose e literalmente comeu grama, mostrando-a para as câmeras de TV. No fim, Samaras faria o segundo da Grécia.