icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena
23/07/2014
10:05

São quatro jogos sem marcar gol, quatro jogos sem o já tradicional gesto do "degolador", comemoração que a torcida adora. Para acabar com o jejum e retomar a ótima média de seus primeiros jogos pelo Palmeiras já no duelo contra o Avaí, nesta quarta, o atacante Henrique analisou com atenção a chance incrível que perdeu domingo, contra o Cruzeiro, quando chutou por cima sem goleiro.

- Depois dos jogos, eu sempre acabo indo dormir tarde, mas nesse acabei esticando um pouco. Revi o jogo, acompanhei mais vezes alguns lances, especificamente esse do gol perdido. Mas estou bem tranquilo, sei que as oportunidades vão vir de novo e estou preparado - disse o camisa 19, que atendeu a reportagem no saguão do hotel em Florianópolis, onde um fã lhe pediu uma foto e posou ao seu lado imitando o gesto da mão no pescoço.

- Bastante gente já me parou pedindo para eu fazer, a maioria faz a mão no pescoço. Isso eu deixo para o torcedor. É legal, vou continuar fazendo meu trabalho para comemorar mais vezes assim - declarou.

Henrique soma dez gols em cinco jogos, mas o último saiu há dois meses, na vitória por 1 a 0 sobre o Figueirense, em Araraquara. Depois, passou em branco contra Chapecoense, Botafogo e Grêmio, cumpriu suspensão contra o Santos, e ficou sem marcar de novo contra o Cruzeiro.

O jejum dos outros atacantes é pior. O último a marcar foi Leandro, no triunfo por 2 a 1 sobre o Criciúma, em 20 de abril. Artilheiro do time no ano passado, com 19 gols, e autor de apenas três em 2014, o camisa 38 formará o trio ofensivo com Henrique e Mouche, titular pela primeira vez

- É bom ter dois atacantes ao lado. Eles se movimentam bastante e as chances aparecem - disse Henrique.

Confira um bate-bola com Henrique:

O gol perdido saiu da cabeça?
Já, sim. Isso aí acontece com qualquer atacante. Nada como um dia após o outro, sei que o gol sai naturalmente. Logo em seguida eu vi o lances várias vezes, você acaba não acreditando. Fico com a cabeça erguida, porque o jogo contra o Avaí já pode mudar tudo isso.

Gareca decidiu poupar titulares. A prioridade é o Brasileiro?
Acredito que não. Ele optou por poupar alguns jogadores, mas nosso elenco tem totais condições de fazer um bom jogo. Sabemos que é difícil aqui, mas vamos em busca da vitória.

A estreia do Mouche como titular muda algo para você?
Acho que não muda, porque são as mesmas características do Diogo. O mais rápido possível vamos tentar buscar entrosamento com o Mouche, porque ele vai nos ajudar bastante, já entrou bem contra o Cruzeiro.