icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
19/11/2013
18:35

A proximidade do final do ano faz com que o Grêmio tenha que tratar da situação de Eduardo Vargas. O atacante tem seu empréstimo encerrando ao final do ano e o Tricolor precisará passar por uma negociação que classifica como "complicada" para manter o chileno na próxima temporada. O clube gaúcho, inicialmente, tenta um novo empréstimo, embora o Napoli não se mostre favorável a esta ideia. O diretor-executivo Rui Costa já começou a se mexer para tentar a manutenção do jogador - tem a concorrência forte do Santos.

- É um assunto que nos inquieta, é um jogador que nós trabalhamos muito para trazer para o Grêmio. Estava vendo o jogo dele contra a Inglaterra pela manhã. Ele jogou uma partida primorosa taticamente, com suas qualidades. Cada vez que joga se valoriza mais, e isso nos orgulha e cria um problema, porque o Napoli sabe do investimento que fez e quer recuperar. Com a proximidade do término do empréstimo, é situação complicada. Tenho me reunido com os representantes do jogador, com pessoas que viabilizaram o negócio. Vamos tentar o que for possível e tiver ao alcance do GrÊmio para permanecer, mas é uma tarefa difícil e que recomenda muito trabalho e racionalidade - disse Rui Costa para a Rádio Bandeirantes.

Vargas passou a ser prioridade do Peixe para a próxima temporada. Os paulistas ouviram que os italianos querem vender 50% dos direitos do chileno. O time de Nápoles pagou quase R$ 40 milhões junto a Universidad do Chile em 2011 pela contratação do atacante. No Grêmio, o jogador não teve o rendimento dos tempos em que atuava pela La U.

- Poderia render mais, mas por uma série de fatores, que passam por ele e outras coisas. Veio para ser protagonista, por isso investimos tanto para trazê-lo. Sair da Libertadores da forma como saímos, não teve uma sequência de jogos, certamente afetou o desempenho. Mas sempre joga mostra um talento muito grande, é um atacante de qualidade rara. Talvez precisasse de mais tempo, um ano para o jogador estrangeiro nem sempre é o suficiente. Foi decisivo em alguns jogos, não foi em outos. Poderia ter rendido mais, mas esse rendimento que não foi o ideal não passa só por ele - avaliou o dirigente gremista.