icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
19/11/2013
10:03

A saída teve diversos capítulos. Afastamento, uma série de entrevistas do pai, uma espécie de desafio. Tudo isso parece, aos poucos, estar sendo superado. O Grêmio e Marcelo Moreno podem se reencontrar em 2014. E nenhuma das partes negam ou descartam a situação.
Na verdade, o mais provável é que o centroavante, atualmente emprestado ao Flamengo, retorno a Porto Alegre. O boliviano amarga a reserva de Hernane, em grande fase e um dos goleadores do Brasil. Garante que todas as arestas com os atuais atacantes gremsitas estão aparadas, após afirmar que queria ver algum deles fazer 22 gols no ano, como ele fez em 2012.

- Falei que eu tinha feito 22 gols, que eu tinha que me valorizar naquele momento, porque é dificil. Mas não fiz desafio nenhum, não fiz nenhuma coisa nesse sentido. Fui mal-interpretado pela imprensa. Falei com os atacantes, falei com o Kleber e com o Barcos - comentou Moreno, na Arena.

Antes da vitória gremista sobre o Flamengo, no domingo, o jogador esteve no vestiário do Grêmio por um longo tempo. Ele garante que não deixou nenhum problema para trás com o clube como instituição. A torcida sempre esteve do seu lado e até o pediu de volta no domingo, com um cartaz, na Arena.

- Não tive problema com o clube, com a torcida, com ninguém. Foi uma decisão do técnico Vanderlei Luxemburgo em me afastar. Eu tive que tomar uma decisão de pelo menos ficar treinando com o grupo. Não sei o que vai ser feito no meu futuro, não sei ainda. Vou cumprir meu contrato com o Flamengo e tenho ainda contrato com o Grêmio - explicou o centroavante, com vínculo até o final de 2015.

Grêmio abre portas

O diretor-executivo gremista Rui Costa também falou sobre a situação de Marcelo Moreno. Espera um posicionamento do Flamengo, que pode exercer o direito de compra previsto em contrato. Mas disse que em 2014 as coisas são diferentes.

- Ele tem contrato com o Flamengo. O clube pode até exercer a cláusula de compra e ficar com ele. Caso contrário vamos ver. Ano que vem é outra história - disse Rui Costa.