icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
18/04/2014
08:00

A estreia no Campeonato Brasileiro de 2013 foi uma vitória por 2 a 0 sobre o Náutico. Não foi na Arena, embora o Grêmio fosse mandante, e sim no Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul. O Tricolor mantém quatro jogadores que iniciaram a campanha que acabou com o vice-campeonato. No entanto, dois integrantes do time no ano passado consideram o time mais tático e veloz com Enderson Moreira no comando.

A escalação para a partida do dia 26 de maio do ano passado tinha Dida; Pará, Werley, Bressan e Alex Telles; Fernando, Souza, Zé Roberto, Elano e Vargas; Barcos. Esta formação sofreu algumas modificações até o final da temporada, após a chegada de Renato Gaúcho.

Com o novo treinador, o Grêmio passou a atuar em grande parte do Brasileiro com três zagueiros e três volantes, principalmente após à chegada de Rhodolfo. Riveros tambem se juntou ao elenco durante a temporada. Por outro lado, Fernando foi vendido.

Da metade para o final do ano, o Grêmio tinha como base Dida; Rhodolfo, Bressan e Werley; Pará, Souza, Riveros, Ramiro e Alex Telles; Kleber e Barcos. Além da característica marcante de contar com três zagueiros e três volantes, o Tricolor era um time que jogava na defensiva. O estilo de novo foi bastante modificado desde a chegada de Enderson Moreira.

O time que o treinador atual encaminhou para o jogo com o Atlético-PR tem Marcelo Grohe; Pará, Bressan, Pedro Geromel e Bren; Eodinho, Ramiro, Riveros, Zé Roberto e Dudu; Barcos. A dupla de zagueiros reservas treinou no time, mas Werley e Rhodolfo segem como os titulares. E Wendell se reapresentará do período de treinamentos com a Seleção sub-21 e deve atuar.

- São jogadores diferentes, tem alguns que permaneceram do elenco do ano passado, mas estamos jogando um pouco diferente. Jogávamos mais recuado e esse ano temos mais velocidade. São características diferentes. Esse ano vamos chegar longe, apesar do campeonato ser difícil, temos condições e elenco para chegar longe - avaliou o lateral-direito Pará.

Desde o início do ano, Enderson já usou algumas variações. Atuou no 4-2-3-1, no 4-4-2 em linha e no 4-1-4-1. Além disso, cria mais chances de gol, segundo Bressan, que considera que o espírito de luta da equipe do ano passado segue.

- A característica tática mudou bastante. Ano passado a gente tinha uma proposta de se defender e sair. Hoje buscamos o jogo, criamos chances, até duas, três. Acho que o que ficou é que a equipe se manteve com espírito que não desiste e luta até o fim. Ficou aparente no ano passado e na Libertadores está aparente. Temos que manter esse espírito para fazer um grande Brasileiro e chegar buscando o título - destacou Bressan.