icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
02/07/2013
08:02

A volta de Renato Gaúcho não é apenas a contratação de um treinador. O retorno do ídolo maior do Grêmio á casamata também implica mudanças que não dizem respeito ao grupo de jogadores. O clima com a torcida, que vinha desgastado com a presença de Vanderlei Luxemburgo, é um dos trunfos para a sequência do ano. A sinergia entre o técnico e as arquibancadas pode fazer a Arena virar, de fato, um caldeirão como sempre foi esperado.

O exemplo disso é toda a festa armada para a apresentação de Renato, hoje. O treinador chega por volta das 11h em Porto Alegre e uma legião de gremistas é esperado no Aeroporto Salgado Filho. Depois, pela primeira vez na curta história do novo estádio, a Arena será aberta à torcida em um treinamento. Cinco mil torcedores terão a chance de observar o primeiro trabalho de Renato Portaluppi, como é chamado no Rio Grande do Sul. A estreia de Renato dentro da nova casa, que ele não conhece, será contra o Botafogo, às 16h, dia 14.

- Acredito que sim, fica mais próximo. O Renato é uma pessoa muito carismática aqui no Rio Grande do Sul, teve sua história como jogador e quer fazer a sua história como treinador. A oportunidade está sendo dada para ele pela segunda vez, é um treinador que consegue cativar o grupo, é jovem, conhece a linguagem do atleta e espero que com a vinda dele possamos ter boas conquistas - comentou o meia Zé Roberto nesta segunda-feira.

A rapidez com que Renato fechou com o clube gaúcho também tem relação com a situação. Apesar de não ter vencido um título no seu time do coração, o treinador teve boa campanha no segundo semestre de 2010, quando foi contratado, e levou o time para a Libertadores com uma relação muito próxima com a torcida, que lotava o Olímpico. Agora, terá mais tempo do que aquele ano para comandar uma campanha tão ou mais impressionante que aquela.

A volta de Renato Gaúcho não é apenas a contratação de um treinador. O retorno do ídolo maior do Grêmio á casamata também implica mudanças que não dizem respeito ao grupo de jogadores. O clima com a torcida, que vinha desgastado com a presença de Vanderlei Luxemburgo, é um dos trunfos para a sequência do ano. A sinergia entre o técnico e as arquibancadas pode fazer a Arena virar, de fato, um caldeirão como sempre foi esperado.

O exemplo disso é toda a festa armada para a apresentação de Renato, hoje. O treinador chega por volta das 11h em Porto Alegre e uma legião de gremistas é esperado no Aeroporto Salgado Filho. Depois, pela primeira vez na curta história do novo estádio, a Arena será aberta à torcida em um treinamento. Cinco mil torcedores terão a chance de observar o primeiro trabalho de Renato Portaluppi, como é chamado no Rio Grande do Sul. A estreia de Renato dentro da nova casa, que ele não conhece, será contra o Botafogo, às 16h, dia 14.

- Acredito que sim, fica mais próximo. O Renato é uma pessoa muito carismática aqui no Rio Grande do Sul, teve sua história como jogador e quer fazer a sua história como treinador. A oportunidade está sendo dada para ele pela segunda vez, é um treinador que consegue cativar o grupo, é jovem, conhece a linguagem do atleta e espero que com a vinda dele possamos ter boas conquistas - comentou o meia Zé Roberto nesta segunda-feira.

A rapidez com que Renato fechou com o clube gaúcho também tem relação com a situação. Apesar de não ter vencido um título no seu time do coração, o treinador teve boa campanha no segundo semestre de 2010, quando foi contratado, e levou o time para a Libertadores com uma relação muito próxima com a torcida, que lotava o Olímpico. Agora, terá mais tempo do que aquele ano para comandar uma campanha tão ou mais impressionante que aquela.