icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
19/12/2013
08:04

Os últimos detalhes do novo contrato entre Grêmio e OAS finalmente foram superados. Em uma reunião na noite desta quarta-feira, em Porto Alegre, a construtora aceitou a proposta do Tricolor de ressarcimento pelas cadeiras ausentes na Arena e o novo acordo entre as duas partes deve ser assinado após as festas de fim de ano, em janeiro de 2014. Assim, a mudança gremista do Olímpico para a Arena acontece até março.

Com o acerto, os últimos detalhes estão sendo acertados. O contrato será redigido, revisado e assinado, possivelmente nos primeiros dias de 2014, como havia adiantado o LANCE!Net. O clube gaúcho, assim, terá 90 dias para deixar o Estádio Olímpico e se mudar definitivamente para a Arena.

As obras do Centro de Treinamentos, em frente ao novo estádio, também devem se encerrar neste período de três meses. Eram necessários cerca de R$ 4 milhões, que estão envolvidos na negociação.

As partes vinham se encontrando regularmente. O presidente Fábio Koff havia ganhado carta branca do Conselho Deliberativo para resolver os problemas encontrados durante a vistoria final comandada por indicados pelo clube gaúcho. Foram detectadas cerca de 1,4 mil cadeiras faltantes e pontos em que a visão do torcedor é prejudicada. O Tricolor ganhará um montante financeiro para este ponto ser superado.

A troca de chaves entre Grêmio e OAS acontece, a princípio, com um ano de atraso. A ideia é que o Olímpico tivesse ido para as mãos da empreiteira ainda em março de 2013. A implosão do estádio estava marcada para outubro. No entanto, pelas indefinições e a renegociação do acordo, o cronograma ficou atrasado.

O Grêmio conseguiu, no novo contrato, uma redução no repasse anual para a parceira. A conta caiu de R$ 42 milhões para R$ 12 no primeiro ano, com um aumento progressivo. A situação ajudará a diminuir o déficit mensal gremista de 2013, que estava previsto para bater os R$ 80 milhões. O acerto e melhor uso da Arena é um dos pontos que a diretoria conta para melhorar a situação financeira para o próximo ano. Foram 14 itens modificados, com Grêmio e Arena dividindo 50% das receitas dos novos associados e o clube assumindo riscos do negócio.