icons.title signature.placeholder Thiago Ferri
12/06/2014
08:06

A chegada de Ricardo Gareca animou até as categorias de base do clube. Conhecido por seu bom trabalho com os jovens no Vélez Sarsfield (ARG), El Flaco virou assunto entre os garotos no Verdão. A expectativa de conseguir mais espaço cresceu na terça, quando quatro meninos foram promovidos ao time principal.

– A gente comentou bastante. Quando ele (Gareca) chegou, a notícia na base foi essa, citou-se muito que ele gosta de usar os mais jovens. Não sei qual era a filosofia do (Gilson) Kleina, mas faltou um pouco de espaço para a base. Agora com o Gareca as coisas estão mudando – resumiu o lateral-esquerdo Mateus Muller, 18 anos, ao LANCE!Net.

O jogador, que venceu a Panda Cup com a Seleção sub-20, é um dos quatro que foram alçados da base. Léo Cunha, Juninho e Érik se juntam a Mateus e Gabriel Dias na fase de treinos com os profissionais.

O lateral-esquerdo é considerado um dos mais promissores da atual safra. Figura constante em convocações, e de olho em uma vaga na Olimpíada de 2016, que será disputada no Rio de Janeiro (RJ), ele tem ouvido de Erasmo Damiani, coordenador da base palmeirense, sobre o seu bom desempenho.

Os amigos do CT de Guarulhos, também, o questionavam sobre quando ele estaria na Academia de Futebol. A primeira experiência será na segunda, data em que o elenco se reapresenta e inicia os trabalhos sob o comando de Gareca.

Caso permaneça nos profissionais, Mateus tem, por enquanto, sete meses para mostrar seu pontecial. Isto porque o contrato com o Verdão acaba em 27 de janeiro de 2015 (ele está emprestado pelo Desportivo Brasil, com o qual tem vínculo até o meio do ano que vem). Apesar de já estar na mira de outros clubes, ele fala em ficar.

– Quero deixar minha marca. Agora não é momento de sair - avisou.


O que significa disputar a Olimpíada de 2016 para você?
É um sonho. Até por ser no Brasil. Para mim, seria como uma Copa do Mundo.

Quais as suas características?
Mais de atacar, de chegada forte, muita técnica. Consigo ver o jogo bem, acho que essa é minha característica. Ainda tenho algumas dificuldades, mas já estou corrigindo elas.

Com você sendo mais falado, o que mudou na sua vida?
Tudo está mudando. Fui recebido com o maior carinho, deram todo o apoio para eu mostrar meu trabalho, a diretoria me ajuda, o Damiani conversa bastante comigo. Quero estar pronto para ser utilizado.

No último jogo-treino entre profissionais e sub-20, gostou de sua atuação? Comentaram muito da caneta de Érik no Lúcio na época?
Fui bem, agradei, dei até um passe para gol. O Érik brincou bastante por causa da caneta, foi uma experiência legal de treinar com eles. A molecada agora está subindo para treinar, ficou próxima a relação com o profissional.