icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/11/2014
20:44

Horas após ser anunciada a desistência do Marrocos de sediar a Copa Africana de Nações, as autoridades do país buscaram uma justificativa para o fato, motivado diretamente pelo surto de ebola que se desenvolve no continente africano. O ministro do Esporte marroquino, Mohammed Ouzzine, disse que os países têm o dever de garantir a segurança de seus cidadãos e essa prerrogativa esteve por trás da decisão do governo, que manteve o pedido de adiamento da competição até o último minuto.

 - Marrocos não se recusou a organizar a Copa Africana de Nações nem falhou com os seus compromissos, mantendo o seu pedido de adiamento. Ele justifica-se por se tratar de um caso de força maior no nível da saúde.

Sem Marrocos, a CAF (Confederação Africana de Futebol) irá divulgar em breve a nova sede do torneio, que seguirá as datas originais, começando no meio de janeiro de 2015 e terminando em fevereiro do mesmo ano. Angola, Gabão e Argélia seriam as principais candidatas.