icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/07/2013
11:42

A rígida política financeira do atual governo francês promete dar trabalho ao emergente Monaco. Quem garante é o ministro das finanças, Pierre Moscovici, afirmando que haverá uma pressão para que o time do Principado mude sua sede para a França.

- Precisa existir uma igualdade de tratamento entre os clubes. O importo de 75% em relação aos vencimentos superiores a um milhão de euros (R$ 3 milhões) é um esforço pedido no período de dois anos para recuperar o país. No caso do futebol, existe uma situação específica com relação aos salários e as dificuldades financeiras - declarou o ministro ao "L'Equipe".

Com a mudança de sede para a França, o Monaco passaria a ter que se adequar a tais medidas que, por exemplo, o Paris Saint-Germain, mesmo gastando milhões de euros em contratações, precisa se submeter.

Controlado pelo bilionário russo Dmitry Rybolovlev, que promete investir mais de 100 milhões de euros (R$ 300 milhões) nos próximos quatro anos, o clube se favorece por se localizar dentro de um paraíso fiscal e, com isso, ficar livre de uma série de encargos. Para a próxima temporada, o clube já fez uma série de investimentos. O mais caro foi o atacante Falcao García, que custou 60 milhões (R$ 159 milhões).

A rígida política financeira do atual governo francês promete dar trabalho ao emergente Monaco. Quem garante é o ministro das finanças, Pierre Moscovici, afirmando que haverá uma pressão para que o time do Principado mude sua sede para a França.

- Precisa existir uma igualdade de tratamento entre os clubes. O importo de 75% em relação aos vencimentos superiores a um milhão de euros (R$ 3 milhões) é um esforço pedido no período de dois anos para recuperar o país. No caso do futebol, existe uma situação específica com relação aos salários e as dificuldades financeiras - declarou o ministro ao "L'Equipe".

Com a mudança de sede para a França, o Monaco passaria a ter que se adequar a tais medidas que, por exemplo, o Paris Saint-Germain, mesmo gastando milhões de euros em contratações, precisa se submeter.

Controlado pelo bilionário russo Dmitry Rybolovlev, que promete investir mais de 100 milhões de euros (R$ 300 milhões) nos próximos quatro anos, o clube se favorece por se localizar dentro de um paraíso fiscal e, com isso, ficar livre de uma série de encargos. Para a próxima temporada, o clube já fez uma série de investimentos. O mais caro foi o atacante Falcao García, que custou 60 milhões (R$ 159 milhões).