icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
18/07/2014
15:52

A Copa do Mundo trouxe centenas de milhares de turistas ao Brasil. Alguns, porém, não querem ir embora. É o caso dos ganeses que rumaram para Caxias do Sul, no interior do Rio Grande do Sul, em busca de emprego. O Ministério da Justiça prometeu um mutirão para expedição de documentos provisórios para os mais de 350 ganeses que permaneceram na Serra gaúcha.

Os imigrantes que permaneceram no Brasil entraram com pedido de refúgio na Polícia Federal - 180 solicitações são confirmadas pelo Ministério da Justiça. O Governo Federal definiu que a partir da próxima segunda-feira o mutirão acelerará a emissão de documentos provisórios, juntando esforços dos ministérios da Justiça, Relações Exteriores, Trabalho e Emprego, Desenvolvimento Social e Combate à fome, além do envolvimento de representantes do RS.

O governo federal também irá mapear cidades que possam absorver a mão de obra e dar emprego aos ganeses, após a emissão dos documentos necessários.

Durante o período da Copa do Mundo, de acordo com informações do Ministério das Relações Exteriores, foram emitidos 8.767 vistos para ganeses, embora nem todos tenham sido utilizados. A Polícia Federal confirmou que, do total, 2.592 ganeses entraram no Brasil, sendo que 1.397 já deixaram o território brasileiro. Outras 1.132 pessoas continuaram no país, com visto válido por 90 dias.

Os ganeses escolheram Caxias do Sul como destino por conta do sucesso de imigração de alguns africanos, entre eles os senegaleses e haitianos que estão instalados na Serra gaúcha. No entanto, a cidade afirma que não tem estrutura para receber os mais de 350 ganeses de maneira direta - a onda de imigração anterior aconteceu por partes, argumenta o prefeito Alceu Barbosa.