icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese
04/04/2014
12:02

Emerson Sheik está muito próximo de ser anunciado pelo Botafogo como reforço para as disputas da Libertadores e do Brasileiro. Na manhã desta sexta-feira, o presidente do Corinthians confirmou que faltam poucos detalhes para a confirmação do negócio que, na visão de Mário Gobbi Filho, será bom para todo mundo.

- Estamos numa conversa com o Botafogo, há o interesse das três partes. Faltam detalhes, nas próximas horas teremos um desfecho. (O que falta) Sempre os números. No futebol, quando faz transação, há o contrato, o que o clube oferece. As coisas caminham bem, deve ter um desfecho feliz - afirmou.

A engenharia financeira para que a negociação seja concretizada passará pelo pagamento de parte do salário do jogador por parte do Timão que, devido à situação financeira do clube carioca, que está com seus vencimentos atrasados e sob protesto do elenco, poderá até mesmo pagar a totalidade dos vencimentos de Emerson, deixando para que o Botafogo pague posteriormente a metade que lhe cabe.

- Essa é uma hipótese. Se ela vingar, terá uma garantia de pagamento. Não é o Botafogo o único clube que luta contras as finanças. O Corinthians também, o futebol brasileiro como um todo está assim, é uma situação geral. O que está se acertando é exatamente isso que você (repórter) colocou. Ele fica na folha e o Botafogo paga a nós. Ou cada um paga 50%. Se for de outra forma há de ter uma garantia para todos. O jogador tem de se acautelar com os direitos dele. É isso que estamos fazendo, não é uma negociação do dia para a noite - afirmou o mandatário do Corinthians.

Assaf: Sheik pode ser um ótimo reforço para o Botafogo


Mário Gobbi Filho negou que o Corinthians tenha arrependimento da renovação contratual de Emerson Sheik em julho de 2013, às vésperas da decisão da Recopa.

- Nunca é um erro renovar contrato com o Sheik. Ele já provou tudo que tinha que provar, não precisa provar mais nada para ninguém - garantiu.

Por fim, o presidente alvineegro falou sobre a maneira que o camisa 11 está deixando o clube, que foi campeão cinco vezes com ajuda de seus gols - atacante chegou ao Parque São Jorge em meados de 2011.

- Não vejo que não vai ser tão legal, não me chateia. Futebol é momento, às vezes o momento de um é uma situação, o momento de outro é outra. Acho que tem que viver de acordo com os fatos que te rodeiam. O Sheik é jogador de futebol, no Corinthians sempre terá o respeito, o carinho, a gratidão, a admiração da torcida e da diretoria. Ele pode passar um tempo jogando em outro clube e depois volta em janeiro. E aí vamos ver o que é melhor para todos. Quero deixar que quem está conduzindo esse caso sou eu, o presidente do Corinthians está tratando em respeito ao que o atleta representa para nós - finalizou.