icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/06/2014
19:04

De um lado a euforia por uma virada épica nas oitavas de final da Copa do Mundo. De outro, a tristeza por uma eliminação no final do segundo tempo. Assim se dividem as emoções dos jogadores de Holanda e México, que atuaram na partida deste domingo, a qual terminou com vitória dos europeus por 2 a 1, em Fortaleza. Giovanni dos Santos, após o confronto, disse não saber o que ocorreu à equipe:

- Não sei o que aconteceu. Nós tínhamos o resultado a favor, a equipe estava motivada... Eu nunca tinha estado em uma seleção com tanta ambição. Mas lamentavelmente nós perdemos. Infelizmente tive que ficar sofrendo no banco, de onde vi outra eliminação como as anteriores, nas oitavas.

O meia do México lamentou que o time não tenha oferecido à torcida a alegria que essa merecia. Ele comentou sobre a tristeza dos torcedores, que apoiaram os jogadores neste Mundial.

- Não há palavras, porque a torcida sempre nos apoiou. A tristeza é grande, porque o povo mexicano merecia uma alegria hoje, mas não pudemos oferecer isso - afirmou, para declarar seu apoio ao técnico Miguel Herrera, que deve continuar no cargo: - Claro que eu quero que ele permaneça, porque mostrou muita competência e devolveu a confiança do nosso povo sobre a seleção.

Já entre os holandeses, a alegria tomou conta. Dirk Kuyt, mesmo depois de um jogo disputado às 13h de Fortaleza, sob forte calor, disse não estar cansado, por conta do êxtase com o triunfo.

- Não me sinto cansado, porque quando você vence, você não sente nem as pernas. Fica feliz. Nós estamos muito felizes. Sinto-me muito bem depois da vitória, ainda porque foi a minha centésima partida pela Holanda. E vencer um jogo como esse é espetacular. O que importa é que vencemos o jogo. Então eu estou muito orgulhoso pelo time - comemorou ele.

Kuyt, atacante de origem, foi um dos nomes da partida. Desde o primeiro minuto, se doou pela equipe ao ser escalado como lateral-esquerdo. Depois, foi atuar na direita.

No começo do jogo eu estava pela esquerda, e depois, no intervalo, o técnico disse para eu ir para a direita. Pensei: "O que está acontecendo?". Mas não tem problema, porque eu sempre me dedico ao máximo pelo nosso time, ainda mais em uma partida tão difícil como essa. Por essa dificuldade, temos um grande respeito pelo México. Foi muito difícil criar chances, mas continuamos lutando, porque queríamos seguir na competição. Estamos muito satisfeitos com o resultado - disse o atleta.