icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci e Gabriel Carneiro
31/07/2014
13:01

Impossível apagar o que Geuvânio fez no Campeonato Paulista. Com sete gols e 11 assistências, foi o jogador mais eficiente e fez parte da seleção dos melhores do torneio. Ganhou elogios de Oswaldo de Oliveira por ter aproveitado uma chance única três anos depois de virar profissional.

Mas o status do jogador que ganhou a mística camisa 10 do Santos na numeração fixa já não é o mesmo. Oswaldo irá utilizar reservas na partida contra o Londrina e Geuvânio estará no banco: atualmente ele é reserva do reserva no Alvinegro, mesmo jogando com três homens no ataque.

– O Geuvânio está disputando posição e quem estiver em melhor momento, produzindo para a equipe, vai jogar. Nesse momento o Jorge Eduardo está merecendo. O Geuvânio oscilou e vai estar no banco – afirmou Oswaldo de Oliveira, sem inventar qualquer desculpa.

Pessoas de dentro do Santos dizem que a badalação do começo do ano interferiu no psicológico e prejudicou o rendimento de Geuvânio. O próprio jogador, no entanto, não vê dessa forma. Durante o desembarque da delegação em Londrina, o camisa 10 disse que não caiu de produção e que está tranquilo quanto às opções de Oswaldo de Oliveira.

- Não, não caí (de rendimento). Acho que é normal, acontece, acho que tenho que continuar trabalhando para voltar ao time o mais rápido possível. O professor nos treinamentos optou por essa formação, e tenho que respeitar, tranquilo. Estou fazendo meu papel em campo, treinando forte para voltar o quanto antes. Estou tranquilo, minha cabeça está focada para o jogo - discursou.

Em busca de espaço, Geuvânio tem uma missão nem tão nova: se afirmar.

ALTOS E BAIXOS DE GEUVÂNIO:

Paulistão - Titular em 18 jogos, foi o que mais entrou em campo na campanha do vice-estadual, junto com o parceiro Gabigol. Fez gol após assistência de bicicleta de Damião, colocou o Santos na ponta do Paulistão com dois gols sobre o Comercial e repetiu a dose contra o Bragantino. Titular, diferentemente de Gabriel, nas duas finais contra o Ituano.

Brasileirão - Começou como titular mesmo abalado pela perda do Paulistão. Depois, foi perdendo espaço aos poucos e começou jogando só em quatro partidas – nas outras sete que participou, saiu do banco. Treinou no time principal durante a pausa da Copa, começou jogando contra o Palmeiras na retomada, mas voltou a ficar de lado.