icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/07/2014
09:24

O atropelo da Alemanha no Brasil deixou as sequelas. Os questionamentos sobre o futebol brasileiro surgem de todos os lugares. Testemunha ocular da mudança alemã, o zagueiro Pedro Geromel disse que a reestruturação da responsável pela maior vergonha da Seleção Brasileira serve de exemplo para uma reforma profunda no futebol brasileiro. Principalmente na gestão.

O defensor do Grêmio afirma que o investimento na base e na estrutura foram os pontos fundamentais. Centro de treinamentos foram criados país afora. E um projeto de formação foi feito. Na atual seleção alemã, são 17 jogadores que atuam no futebol alemão, algo valorizado por Geromel.

- Foi um processo lento. Depois que perderam a Copa de 2002 reformularam praticamente tudo. Tiraram jogadores que tinham muitos anos de Alemanha e começaram a investir na base. Não sei dizer ao certo, mas a maioria joga na Alemanha. É um caso raro. Na Seleção Brasileira é o contrário. E nas outras seleções também. É um coisa que fizeram bem feita - comentou o zagueiro gremista.

Pedro Geromel atuou por quatro temporadas no Colônia, de 2008 a 2012. O defensor chegou a enfrentar os grandes nomes da atuação geração, como o atacante Muller, do Bayern de Munique.

- O governo incentivou, criaram um monte de centro de treinos, que tive a oportunidade de conhecer. Construíram jogadores. Investiram milhões na base. E você vê Bayern e Borussia na final da Liga dos Campeões. Estão colhendo os investimentos que fizeram na base. É uma gestão toda, uma coisa grande que vem por trás. Ficamos quatro dias em Londrina e conhecemos a base deles. É um exemplo bom de algo que deve ser feito. Tem estrutura e em um futuro próximo tem tudo para estar na Série C e B por um bom tempo - explicou Geromel.