icons.title signature.placeholder Daniel Bortoletto
28/03/2014
17:38

A Gatorade anunciou, nesta sexta-feira, em Londres, um projeto exclusivo para a Seleção Brasileira. Cada jogador da equipe de Luiz Felipe Scolari passará a receber isotônicos com fórmulas diferentes, além de uma garrafa com uma nova tecnologia, que permitirá que médicos e cientistas controlem, à distância e em tempo real, a reidratação de Neymar & Cia.

As fórmulas foram definidas após uma equipe de cientistas da empresa acompanhar os jogadores em jogos e treinos da Seleção, no Brasil e no exterior, nos últimos dois anos. Neste período, os atletas realizaram exames de urina e suor, para formulação de um diagnóstico, que possibilitou a adaptação do produto às necessidades físicas de cada um.

Já a garrafa possui um chip que mede o nível de hidratação de cada jogador, de acordo com a quantidade ingerida do líquido. Tais informações são enviadas para um tablet da comissão técnica, permitindo o acompanhamento online, mesmo nos períodos em que os atletas estiverem servindo os clubes.

E MAIS

HOME: Veja as últimas notícias do futebol internacional
Parreira chega a Londres por avaliações finais de convocação para a Copa

Atualmente, cada jogador convocado, desde 2012, já recebe um kit mensal da Gatorade, com os produtos personalizados que devem ser consumidos. Aqueles que forem convocados por Felipão, em 7 de maio, receberão a nova garrafa, sendo monitorados diariamente a partir de então.

- Qualquer diferenciação no esporte hoje é importante. Qualquer novidade que possa fazer com que o jogador atue em alto nível durante o maior tempo possível é bem-vinda e pode fazer a diferença - comentou Carlos Alberto Parreira, atual coordenador técnico, que iniciou seu trabalho na Seleção como preparador físico, em 1968.

O volante Paulinho, do Tottenham, participou do evento e admitiu já ter percebido melhorias no próprio desempenho.

- Nos testes que fiz, ficou provado que eu não bebia tanta água. Era uma falha minha. E ao perceber que precisava mudar, comecei a ver os resultados. Lembro até de um jogo contra o México (em 2012), que consegui dar um arrancada já no fim do jogo. Se você não está bem preparado, vai sentir a diferença - comentou o jogador.