icons.title signature.placeholder Bruno Quaresma, Felipe Bolguese e Marcio Porto
icons.title signature.placeholder Bruno Quaresma, Felipe Bolguese e Marcio Porto
18/07/2013
14:57

O grupo DIS, braço esportivo do grupo Sonda, não é mais o representante do meia Paulo Henrique Ganso. Depois de anos de parceria, as partes romperam o contrato de representatividade. O jogador do São Paulo já tem, inclusive, um novo agente há cerca de um mês: trata-se de Giuseppe Dioguardi, o Pepinho, que tem o atacante Kleber Gladiador, do Grêmio, como um de seus principais clientes.

A empresa, no entanto, continua com 68% dos direitos econômicos do atleta, porcentagem atingida na negociação entre o Tricolor e o Santos. A DIS, que já tinha 55%, bancou cerca de R$ 7,5 milhões dos R$ 24 milhões da transação, aumentando sua participação. Os outros 32% são do São Paulo.

A ruptura reflete descontentamento das duas partes. Há tempos, Ganso vê como conflituoso o fato de a DIS o representar sendo dona de parte dos seus direitos econômicos. No entanto, a empresa foi peça-chave para atender o desejo do jogador e tirá-lo do Santos (a última reunião entre os clubes, inclusive, foi na sede do Sonda, no Conjunto Nacional, localizado na capital paulista), com quem o meia manteve relação ruim no fim de sua passagem e saiu pela portas dos fundos, agravando ainda mais as intrigas do grupo com a diretoria santista.

Quando Ganso negociou a ida para o Corinthians em 2011, seu irmão, Papito Lima, irritou o jogador porque negociava a renovação com o Santos, sem o seu consentimento. Papito e DIS há tempos já não falavam a mesma língua.

A empresa relata problemas não tão recentes da relação. A parceira balançou outras vezes. A personalidade do meia é vista por membros do grupo como prejudicial a ele mesmo. Na Vila Belmiro, o jogador ficou conhecido por desconfiar das pessoas que o cercam. No São Paulo, essa questão já irrita alguns membros da diretoria, que não se opõem a uma possível negociação. Ainda não houve, porém, nenhuma proposta oficial desde que ele chegou ao Morumbi.

Nesta quarta-feira, já com novo representante, Ganso entrou em campo na final da Recopa Sul-Americana e perdeu o título para o rival Corinthians após nova derrota, agora por 2 a 0 - primeiro foi 2 a 1 para o Alvinegro. Na saída de campo, o meia disse que Paulo Autuori iria ter trabalho para arrumar o time, sobretudo o posicionamento da defesa.

O grupo DIS, braço esportivo do grupo Sonda, não é mais o representante do meia Paulo Henrique Ganso. Depois de anos de parceria, as partes romperam o contrato de representatividade. O jogador do São Paulo já tem, inclusive, um novo agente há cerca de um mês: trata-se de Giuseppe Dioguardi, o Pepinho, que tem o atacante Kleber Gladiador, do Grêmio, como um de seus principais clientes.

A empresa, no entanto, continua com 68% dos direitos econômicos do atleta, porcentagem atingida na negociação entre o Tricolor e o Santos. A DIS, que já tinha 55%, bancou cerca de R$ 7,5 milhões dos R$ 24 milhões da transação, aumentando sua participação. Os outros 32% são do São Paulo.

A ruptura reflete descontentamento das duas partes. Há tempos, Ganso vê como conflituoso o fato de a DIS o representar sendo dona de parte dos seus direitos econômicos. No entanto, a empresa foi peça-chave para atender o desejo do jogador e tirá-lo do Santos (a última reunião entre os clubes, inclusive, foi na sede do Sonda, no Conjunto Nacional, localizado na capital paulista), com quem o meia manteve relação ruim no fim de sua passagem e saiu pela portas dos fundos, agravando ainda mais as intrigas do grupo com a diretoria santista.

Quando Ganso negociou a ida para o Corinthians em 2011, seu irmão, Papito Lima, irritou o jogador porque negociava a renovação com o Santos, sem o seu consentimento. Papito e DIS há tempos já não falavam a mesma língua.

A empresa relata problemas não tão recentes da relação. A parceira balançou outras vezes. A personalidade do meia é vista por membros do grupo como prejudicial a ele mesmo. Na Vila Belmiro, o jogador ficou conhecido por desconfiar das pessoas que o cercam. No São Paulo, essa questão já irrita alguns membros da diretoria, que não se opõem a uma possível negociação. Ainda não houve, porém, nenhuma proposta oficial desde que ele chegou ao Morumbi.

Nesta quarta-feira, já com novo representante, Ganso entrou em campo na final da Recopa Sul-Americana e perdeu o título para o rival Corinthians após nova derrota, agora por 2 a 0 - primeiro foi 2 a 1 para o Alvinegro. Na saída de campo, o meia disse que Paulo Autuori iria ter trabalho para arrumar o time, sobretudo o posicionamento da defesa.